Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

União Europeia dividida sobre Venezuela

União Europeia dividida sobre Venezuela
Direitos de autor
REUTERS/Edgard Garrido
Tamanho do texto Aa Aa

A União Europeia mostra-se dividida sobre o novo capítulo da crise na Venezuela.

A União Europeia não deve contribuir para agravar a situação, mas para encontrar uma solução através das urnas

Iratxe García Eurodeputada, centro-esquerda, Espanha

Portugal alinhou com a chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini, que voltou a pedir eleições livres, mas não se pronunciou sobre a autoproclamação de Juan Guaidó como Presidente do país.

Já França apoia a decisão do jovem presidente do Parlamento venezuelano e o mesmo fez Donald Tusk. No Twitter, o presidente do Conselho Europeu disse que: "Ao contrário de Maduro, a assembleia parlamentar, incluindo Juan Guaidó, tem um mandato democrático dados pelos cidadãos venezuelanos".

O presidente do Parlamento Europeu, Antonio Tajani, apoia Guaidó, mas uma eurodeputada socialista espanhola, Iratxe García, defendeu maior neutralidade:

"Temos de agir de forma muito responsável, é um momento delicado. A União Europeia não deve contribuir para agravar a situação, mas para encontrar uma solução e isso só se consegue através das urnas".

Já o grupo do centro-direita considera que esta é uma nova oportunidade para acabar com o impasse e afastar o Presidente comunista Nicolás Maduro.

"Penso que quem se autoproclamou foi Nicolás Maduro, e não Juan Guadió, que pode assumir-se como Presidente. Até que sejam convocadas eleições livres, a Constituição permite-lhe assumir o cargo interinamente", disse Teresa Jiménez-Becerril, eurodeputada espanhola.

O grupo que agrega as forças comunistas e de esquerda radical no Parlamento Europeu (GUE/NGL) criticou o que classifica como um "golpe de Estado" de Juan Guaidó.