Última hora

Última hora

Gordon Ramsay: "É tudo uma questão de paixão"

Gordon Ramsay: "É tudo uma questão de paixão"
Tamanho do texto Aa Aa

É um dos chefs mais ricos do mundo, estrela de televisão, antigo jogador de futebol e homem de família. A Euronews falou com Gordon Ramsay.

Jane Witherspoon: Gordon, estamos aqui no Hell's Kitchen, no Caesar's Palace, no Dubai. Alguma vez pensou que ia estar aqui?

Gordon Ramsay: Não, é incrível. Apaixonei-me pelo Dubai há 18 anos quando abrimos o restaurante no Creek, e veja o que aconteceu com o Dubai desde então, tem sido incrível. Para mim é uma cidade gastronómica, altamente competitiva, com um grande mercado. Há agora um enorme sector europeu que depende mais do que nunca do Dubai. Tem um bom tempo, boa comida e uma praia maravilhosa.

JW: Ainda é difícil abrir um restaurante num mercado saturado? Porque há tantos aqui...

GR: É muito difícil porque a concorrência é abundante, as tendências movem-se diariamente. Tens de ter o espaço que esteja mais na moda, o mais bonito, e, às vezes, o mais barato. E isso não é possivel quando geres um restaurante. Por isso, não é nada fácil.

JW: Algum plano para filmar o Hell's Kitchen aqui como fez em Vegas?

GR: Aqui não me deixariam dizer palavrões. Infelizmente, alguns palavrões saem quando o temperamento aquece e eu sou honesto. Confirmamos agora as temporadas 19 e 20. E vamos filmá-las no Caesar's Palace, em Vegas.

JW: Quão diferente é fazer negócios aqui em relação à Europa ou ao mercado americano?

GR: Não é apenas a comida, é a atmosfera, o ambiente, o bar, as bebidas, o serviço, a etiqueta. É um mercado atraente, mas tem de se ter muito cuidado. É muito semelhante a LA, move-se com as tendências. Se aguentares dois anos aqui com estas mudanças, consegues aguentar o negócio durante muito tempo.

JW: E onde é que o Dubai está na escala global da culinária?

GR: Vê-se na quantidade de chefs de topo que estão aqui agora. Às vezes parece que estamos no meio do Champs Elysée em Paris, outras vezes parece que estamos entre Mayfair e Chelsea, e depois: o tempo. Podemos jantar no exterior às 9, 10, 11 da noite a desfrutar de boa comida, sem que chova a potes.

JW: Tem 16 estrelas Michelin: ganancioso, esperto ou acha que é uma espécie cálice envenenado, que todos esperam algo?

GR: No ano passado perdemos Joël Robuchon, infelizmente. Tinha mais de 30 estrelas Michelin. Era extraordinário, trabalhei com ele durante um ano. Alain Ducasse atualmente tem 21 estrelas. Cristiano Ronaldo jogou futebol suficiente na Liga dos Campeões? É uma questão de paixão. Por isso, não sou só eu. É a equipa que tenho atrás de mim. O chef Craig aqui, a Christina em Las Vegas. Matt Abé em Londres ou Clare Smyth a dirigir o próprio negócio agora. Não é sobre quem tem mais estrelas, acho que é um passaporte de grandeza quando se ganha, por exemplo, um prémio em outubro de um prato que se cozinhou no ano anterior. Não sou eu, é a equipa e eu tiro o melhor deles.

JW: Como é que lida com a fama que tem?

GR: Tenho uma mãe incrível que me mantém incrivelmente ligado à família e tenho uma esposa incrível. Por isso, fama? Estou sempre ocupado. Não saio à rua à procura de fama, fico intimidado, até.

JW: Parabéns pelo seu quinto filho!

GR: Sim, número cinco!

JW: Vai continuar?

GR: Não acho que seja uma boa ideia continuar, mas acho que as mantemos estáveis. Cinco crianças é muito! E acho que hoje a pressão sobre eles é muito maior do que a de quando eu estava a crescer, porque eles estão muito mais distraídos do que eu estava na altura. Nós não tinhamos este fenómeno da internet. Olho para o meu assistente - ele está por aqui - cada vez que ele quer uma namorada, desliza para a esquerda ou para a direita no ecrã. Então, na altura namorar era importante. Ter três filhas e observá-las em relacionamentos é mais difícil agora. Eles são mais distraídos agora do que eu era na altura.

JW: É um pai duro no que toca a namorados?

GR: Desde muito cedo sempre lhes implorei: Quanto mais rápido me disserem, mais eu posso fazer. E isso foi levado a sério. Se sou duro? Sou muito justo com eles. Muito justo. Só quero que eles encontrem paixão. Não se trata de herança, fama, fortuna, passagens aéreas de primeira classe, encontrem apenas a vossa paixão. A Megs estuda criminologia, a Holly está na moda e o Jack quer ir para o exército. E a Tilly, a Tilly anda a sonhar. Um dia é médica, no dia seguinte é uma chef. No dia seguinte é o Blue Peter...

JW: Obviamente eles estão a crescer num mundo muito diferente. E o Brexit...Qual é o impacto desta situação na indústria culinária?

GR: Boa pergunta. Acho que a camada intermédia do setor nos últimos três anos ficou saturada. Estamos a quatro e meio por cento acima do ano que vem. Acho que há muita incerteza sobre o que está a acontecer. Acho que quanto mais rápido o acordo é feito, mais rápido podemos colocar a cabeça para baixo e reposicionar onde deveríamos estar, como uma grande nação. Se isso irá afetar os restaurantes? Os de qualidade? Definitivamente não. Os outros? De certeza. No meu negócio, 72% das pessoas são da Europa. Somos uma nação trabalhadora, por isso, quando o acordo acabar e todos saírem, todos voltarão ao normal e defender aquilo em que acreditam. É difícil para mim, porque sou meio escocês. Nasci lá mas nunca vivi lá. Amo a Grã-Bretanha, é um lugar incrível para crescer, tem grandes valores, é um país incrível e por isso é que se chama Grã-Bretanha! Devemos lembrar-nos disso!

JW: Falou da Escócia. Preferia ser um jogador de futebol escocês ou um chef?

GR: Essa é uma boa pergunta. Acho que com menos de 30 anos definitivamente um jogador de futebol. Se fosse no início dos anos 50, definitivamente um chef. Mas acho que a nível de treino, disciplina, profissionalismo, é duro, e pode perder-se tudo em segundos, como no meu caso, com uma lesão, e é preciso força para levantar e seguir em frente.

JW: Belisca-se quando percebe aquilo que alcançou?

GR: Acho que parte desse caminho é um dia ter medo de não o ter percorrido. E quando se cresce na situação em que eu cresci, tudo o que se consegue é apreciado 10 vezes mais. Continuo aqui, confortável em termos de dinheiro há já algum tempo. Por isso, o dinheiro nunca foi o objetivo.

JW: Gordon, obrigada por se juntar a nós.

GR: Muito obrigado. Estou ansioso por vê-la para jantar!