Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

O futuro do "Plano Juncker"

O futuro do "Plano Juncker"
Tamanho do texto Aa Aa

O Plano de Investimento para a Europa, o chamado Plano Juncker, visa aumentar o PIB europeu em 1,3% e criar 1,4 milhões de empregos em 2020.

Neste episódio de Real Economy vamos conhecer os últimos detalhes do Fundo Europeu para Investimentos Estratégicos (FEIE)).

O Fundo Europeu para Investimentos Estratégicos (FEIE)) mobilizou a soma adicional de 335 mil milhões de euros desde 2015. O chamado Plano Juncker financiou a criação de mais de 750 mil empregos. Um número que deverá aumentar para 1,4 milhões em 2020. Em consequência, o PIB da UE aumentou 0,6% e espera-se que aumente 1,3% em 2020, segundo a Comissão Europeia.

De acordo com a mesma fonte, o programa europeu facilitou o acesso ao crédito a 700 mil pequenas e médias empresas europeias. Para poder beneficiar do dispositivo, as empresas devem contribuir para os objetivos da União Europeia, nomeadamente para um crescimento sustentável.

O caso da Irlanda

A Irlanda é o país da União Europeia com menos área florestal. Em 2017, pela primeira vez em vinte anos, o Banco Europeu de Investimento lançou o primeiro dispositivo de investimento na área florestal na Irlanda, com empréstimos de 118 milhões de euros.)

A euronews falou com um dos agricultores irlandeses que decidiu reconverter as terras em florestas.

"Em 1989, eu era um jovem agricultor e tinha consciência que havia várias áreas áridas na quinta, por isso comecei a plantar nessas áreas. Foi o início do processo. Recomendo fortemente a florestação aos agricultores. Tem todas as vantagens a nível ambiental e das emissões de CO2 mas é também um negócio lucrativo e a Irlanda tem a sorte de ter solos particularmente adaptados ao crescimento rápido da floresta", contou Sean Eustace, agricultor de County Wicklow, na Irlanda.

A floresta é uma área importante para a economia irlandesa e contribui com 2,3 mil milhões de euros para o PIB e emprega 12 mil pessoas.

O futuro do "Plano Juncker"

O atual programa de investimento dura até 2020. Em 2021, arranca a nova fase do plano que visa "lutar contra a falta de confiança e de investimentos que resultou da crise económica e financeira e utilizar a liquidez nas mãos de instituições financeiras, empresas e indivíduos num momento em que os recursos públicos são escassos", como explica a nota disponibilizada no sítio da Comissão Europeia.

O novo programa intitulado InvestEU começa em 2021 e dura até 2027. A Comissão Europeia espera obter 650 mil milhões de euros em investimento adicional.

O programa europeu vai reunir num só dispositivo os vários instrumentos financeiros da União Europeia com o objetivo de simplificar os procedimentos, torná-los mais fléxiveis e eficientes).

Fundo favorece sustentabilidade e economia circular

A euronews falou com o vice-presidente da Comissão Europeia, Jyrki Katainen, sobre os objetivos do Fundo Europeu para Investimentos Estratégicos (FEIE) e sobre a próxima fase do "Plano Junker".

euronews: "O plano de investimento foi lançado em 2014 logo depois da crise. Pensa que ajudou a economia a recuperar?

Jyrki Katainen: "Os maiores beneficiários quando olha para o investimento em função do PIB do país, foram a Grécia, a Estónia, a Bulgária, Portugal, Espanha, Lituânia e Itália. Basicamente, foram os países do sul da europa mais efetados pela crise e os países do centro e do leste da europa onde também houve dificuldades de acesso ao financiamento"

euronews: "Quais são os setores e as indústrias em que o plano Juncker teve mais sucesso?"

Jyrki Katainen: "Eficiência energética, saúde, digitalização, sobretudo na banda larga e energias renováveis. São as áreas em que o fundo europeu deu uma maior ajuda".

euronews: "Tem uma história ou um exemplo favorito?"

Jyrki Katainen: "Há vários exemplos, mas há um que eu gostaria de citar porque é próximo de todas as pessoas. Tem a ver com uma padaria estónia que obteve financiamento através do fundo europeu e investiu em nove padarias na Estónia. Cito este exemplo porque todos podem constatá-lo e eles dizem que sem o fundo europeu, não teriam podido fazê-lo".

euronews: "O plano de investimento vai ter uma nova fase e vai chamar-se InvestEU. Como é que esse plano poderá acelerar o crescimento? As últimas estimativas indicam que o crescimento vai diminuir.

Jyrki Katainen: "O plano é similar ao anterior. A diferença é que os bancos nacionais podem candidatar-se diretamente às garantias do orçamento da UE. É claro que o Banco Europeu de Investimento é um parceiro estratégico, mas, os bancos nacionais podem beneficiar diretamente com o InvestEU. O que não significa que os projetos sejam selecionados politicamente, mas, queremos centrar-nos em investimentos que possam concretizar certos objetivos políticos, como o combate às mudanças climáticas e a economia circular. Queremos também duplicar os meios dos investimentos sociais e vamos aumentar de forma significativa o financiamento das PME e da inovação".