A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Trabalho mata 200 mil por ano na UE

Trabalho mata 200 mil por ano na UE
Direitos de autor
REUTERS
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Ser bombeiro é uma profissão de risco por natureza, mas os profissionais estão a ser confrontados com problemas de longo prazo até agora menos conhecidos. O cancro é um deles, causado por gases tóxicos presentes durante as intervenções.

O belga Johnny Casier obteve esse diagnóstico, há dois anos. Além de lutar para se curar, perde energia com a batalha administrativa par ver reconhecida esta doença como decorrente do exercício da profissão.

"No começo não nos preocupamos com o que vai fazer a administração pública, apenas nos importamos com a doença, com a nossa família, os filhos. Mas depois apercebemo-nos da conta a pagar e temos a expetativa de que o Estado ajude a responder ao fardo económico", disse, à euronews.

Foram tomadas algumas medidas para proteger os bombeiros ao nível da desintoxicação das fardas, mas a Bélgica não é um dos países, tais como Canadá ou Noruega, que reconhece a relação causa-efeito em termos de cancro.

Mais diretivas da UE

A Confederação Europeia de Sindicatos pede medidas aos futuros eurodeputados contra os impactos da profissão na saúde.

  • Quase 200 mil pessoas morrem anualmente, na União Européia, devido a doenças e acidentes relacionados com o trabalho.
  • Cerca de 100 mil mortes são casos de cancro, que é agora o fator principal de incapacidade e morte, representando 53% dos casos conhecidos mas há muitos que não são assim classificados pelas autoridades.

Os acidentes são outros fator importante de morte e incapacidade, sendo os setores de atividade mais afetados os da construção, transporte e armazenamento.

Numa manifestação junto das instituições da União Europeia, em Bruxelas, na semana passada, os sindicatos pediram mais medidas de prevenção e maiores compensações financeiras.

"Uma das razões pelas quais estamos aqui é para pedir aos membros do próximo Parlamento Europeu que responsabilizem os empregadores, para garantir que não continuam a fugir às suas responsabilidades", disse a sindicalista Esther Lynch.

Entre as reivindicações da confederação estão também novas diretivas europeias sobre o stress, as lesões musculoesqueléticas, acidentes rodoviários e suicídio relacionados com o trabalho.