EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

União Europeia apreensiva depois do anúncio do Irão

União Europeia apreensiva depois do anúncio do Irão
Direitos de autor Reuters
Direitos de autor Reuters
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A chefe da diplomacia de Bruxelas falou em uma "enorme preocupação" e garantiu que os compromissos assumidos nesta área continuam a ser uma das grandes prioridades do bloco

PUBLICIDADE

A União Europeia ficou “apreensiva” depois de Teerão anunciar o regresso ao enriquecimento de urânio e de dar dois meses às principais potências mundiais para negociarem um novo acordo nuclear.

Na resposta ao presidente iraniano, o bloco europeu rejeitou “qualquer ultimato" e prometeu avaliar os compromissos assumidos pelo Irão.

Federica Mogherini, chefe da diplomacia de Bruxelas, sublinhou o compromisso e empenho do bloco nesta área.

"Continuamos empenhados na plena implementação do Plano de Ação Conjunto Global" do acordo nuclear. É uma questão de segurança para nós e para o mundo inteiro. O investimento da União Europeia na não proliferação continua a ser uma prioridade absoluta. Até agora, temos visto o Irão a cumprir todos os compromissos no âmbito do acordo nuclear.

A decisão do Irão acontece exatamente um ano depois de Donald Trump anunciar a saída dos Estados Unidos do acordo nuclear assinado em 2015.

Numa declaração conjunta, divulgada esta quinta-feira por Mogherini, a UE, França, Alemanha e o Reino Unido sublinham o compromisso com a “preservação e a plena implementação" do Plano de Acção Conjunto Global, classificando-o como "uma conquista fundamental" para a segurança de todos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Jornalista norte-americano Evan Gershkovich será julgado na Rússia por espionagem

Biden apoia o filho após condenação, mesmo sem indulto. "Estamos orgulhosos do homem que ele é hoje"

EUA dizem estar a avaliar resposta do Hamas ao plano de cessar-fogo norte-americano na Faixa de Gaza