Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Greve geral paralisa Argentina

Greve geral paralisa Argentina
Direitos de autor
REUTERS/Agustin Marcarian
Tamanho do texto Aa Aa

Uma greve geral paralisou, na quarta-feira, a Argentina.

Convocado pelos principais sindicatos do país, o protesto dos trabalhadores visou as medidas de austeridade apresentadas pelo presidente Mauricio Macri.

O cenário repetiu-se por toda a Argentina. As cidades ficaram desertas, os autocarros e os comboios não circularam. Todos os voos foram cancelados, as escolas permaneceram encerradas e nos hospitais apenas funcionaram os serviços de urgências.

A popularidade de Mauricio Macri entrou em queda livre, nos últimos meses, devido à situação económica do país, que atingiu níveis alarmantes: uma inflação atualizada de 50% e taxas de juros de referência na ordem dos 70%.

O país chegou a um acordo de défice zero com o Fundo Monetário Internacional, o que levou à união dos sindicatos contra o Governo.

Porém, mais do que a clássica reivindicação salarial, a greve é também político-partidária: os líderes sindicais jogam abertamente a favor de alguma alternativa opositora ligada ao peronismo nas próximas eleições de outubro.