Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Macron irritado com "fracasso que dá má imagem" à Europa

Macron irritado com "fracasso que dá má imagem" à Europa
Direitos de autor
REUTERS/Francois Lenoir
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Cansados e frustrados, os chefes de Estado e de Governo da União Europeia vão fazer uma pausa, até terça-feira de manhã, na batalha, em Bruxelas, para chegar a consenso sobre os nomes dos futuros líderes das instituições comunitárias.

A terceira tentativa, iniciada no domingo ao final do dia, foi suspensa ao final da manhã de segunda-feira, e o primeiro-ministro do Luxemburgo, Xavier Bettel, considerou a pausa estratégica: "Eu não dormi de todo. Amanhã vamos retomar porque hoje não íamos chegar a acordo. É uma decisão muito importante escolher os líderes dos cargos de topo".

Regressados da cimeira G20 no Japão, os líderes da França e da Alemanha, entre outros, tinham chegado a acordo para dar a presidência não ao PPE, que ganhou as eleições europeias, mas ao candidato principal dos socialistas, o holandês Frans Timmermans.

Macron irritado com "fracasso que dá má imagem"

Mas a oposição foi muito forte por parte de países ultraconservadores e poderosos como a Itália e a Polónia, o que irritou muito o Presidente francês, Emmanuel Macron.

"Terminamos por hoje com um verdadeiro fracasso. Não foi possível ter resultados e penso que é uma imagem muito negativa que damos do Conselho Europeu e da Europa. Ninguém pode estar satisfeito com o que não se alcançou ao fim de tantas horas", disse aos jornalistas.

Em causa está compatibilizar critérios políticos, geográficos, demográficos e de paridade homem-mulher. A decisão pode ser tomada por maioria qualificada: pelo menos 21 dos 28 países, representando pelo menos 65% da população da União. Ma o ideal seria a unanimidade, disse a chanceler da Alemanha, Angela Merkel.

"Há que questionar se, numa Europa com 440 milhões de pessoas, queremos efetivamente alienar 100 milhões deles, mesmo que tal seja, legalmente, possível. É melhor gastar mais um pouco mais de tempo e tentar chegar a acordo entre os vários países", referiu em conferência de imprensa.

Os cargos em causa são: presidente da Comissão Europeia, presidente do Parlamento Europeu, presidente do Conselho Europeu, Alto Representante para a Política Externa e Segurança, presidente do Banco Central Europeu.