Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Santiago de Cuba, a "terra quente"

Santiago de Cuba, a "terra quente"
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Berço da trova, do "son" e da revolução, a cidade de Santiago de Cuba também é conhecida como a "terra quente" por causa do clima e da energia da população local.

A música inunda as ruas coloridas, plenas de movimento, miscigenação e ecletismo com reminiscências europeias.

Cristina Giner, Euronews - Santiago é a cidade mais caribenha de Cuba mas nas ruas, entre as pessoas e ao nível da arquitetura ainda se podem perceber traços da presença francesa nesta parte da ilha."

Ancorada paredes-meias com a Serra Maestra, a cidade teve sempre uma estreita relação com a montanha por causa da própria história.

"Em finais do século XVIII e início do século XIX, os franceses estabeleceram-se em Santiago, principalmente na zona de montanha e desenvolveram a economia do café com mão-de-obra escrava", lembra Olga Portuondo, historiadora.

Os franceses fugiram da revolução no Haiti. Nas fazendas do café existiam dois mundos paralelos: o dos escravos e o dos senhores.

Os franceses trouxeram a ilustração e criaram um ambiente cultural particular no meio da montanha. Marcaram desta forma a cultura de Santiago de Cuba e da zona da Grande Pedra, um miradouro natural onde é possível desfrutar da riqueza do oriente da ilha que junta o Mar das Caraíbas e a famosa Serra Maestra.