A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Cirurgiões portugueses criam "neovagina"

Cirurgiões portugueses criam "neovagina"
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Uma cirurgia está a mudar as vidas de jovens mulheres em Portugal. No bloco operatório do Centro Materno-Infantil do Norte (CMIN), em pouco mais de uma hora e através de uma intervenção pouco invasiva, os cirurgiões criam uma "neovagina".

"O que estamos a falar é de um quadro congénito de ausência da vagina, ou encurtamento do canal vaginal. Normalmente isto é enquadrado num conjunto de outras alterações, aquilo a que nós chamamos um síndrome de Mayer-Rokitansky-Kuster-Hauser", explica Hélder Ferreira, cirurgião no CMIN.

Estima-se que uma em cada 4500 mulheres sofra desta malformação normalmente associada a dores pélvicas, à ausência de menstruação, ou mesmo de útero. Uma condição, por vezes, detetada apenas em exames ginecológicos.

Aos 12 anos, Matilde Rodrigues começou a "achar estranho" não ter menstruação, acabando por ir a uma consulta de ginecologia. Perante o cenário de uma cirurgia de reconstrução, decidiu esperar. Hoje, com 18 anos, admite que a nova intervenção a fez sentir mais confiante e quer ser a voz das mulheres com o mesmo quadro clínico.

"Nem todas as mulheres têm a noção de que existe este tipo de problemas e elas, ao terem a noção de que há pessoas que passam por isto e como é que elas se sentem, qual é a sensação de faltar alguma coisa, acho que é bom elas saberem que há maneira de conseguir resolver isso", conta.

O acompanhamento clínico pós-operatório é indispensável. No fim, todo o procedimento garante às jovens mulheres a possibilidade de uma vida sexual e maior autoestima.