A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Crise EUA-China domina feira de eletrónica de Berlim

Crise EUA-China domina feira de eletrónica de Berlim
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A IFA Berlim 2019, feira de consumíveis eletrónicos, acontece num momento de viragem. Tradicionalmente, o programa do certame é dominado pelas novas tendências em televisores e eletrodomésticos inteligentes. Este ano a guerra comercial entre Estados Unidos e China estará no centro das atenções.

"Na IFA deste ano todos os olhos estão voltados para a Huawei. Há uma escalada na guerra comercial e a marca lança o seu novo telemóvel no final do mês, em Munique. A pergunta está aí: será ela a primeira vítima da guerra comercial? Nós estaremos atentos à Huawei na apresentação à imprensa, para compreender que sinais sairão dela", explica Nicole Scott, Editora do portal Mobile Geeks.

A tecnológica chinesa Huawei pode ser obrigada a deixar de usar o sistema operativo Android, da Google, no seu próximo smartphone. Pequim critica o comportamento de Washington

"Pedimos aos EUA que parem de generalizar sobre a Segurança Nacional, parem com a difamação e as acusações, deliberadas, contra a China, a supressão, irracional, de empresas chinesas e deem condições equitativas e ambiente não discriminatório para que as empresas chinesas possam operar, normalmente, nos Estados Unidos", afirmou o porta-voz do ministério dos Negócios Estrangeiros da China, Geng Shuang.

A IFA está aberta ao público de seis a 11 de setembro com 1800 expositores, entre eles os maiores grupos tecnológicos do mundo que levarão ao certame as suas mais recentes inovações.