Última hora

Tornar mais fiável e segura a deteção de explosivos

Tornar mais fiável e segura a deteção de explosivos
Tamanho do texto Aa Aa

"O TATP, um explosivo frequentemente usado por terroristas, é extremamente perigoso de manusear. Isso dificulta o treino de cães polícia e a utilização de detores para inspeção em locais movimentados, como os aeroportos.

Para solucionar esse problema investigadores europeus criaram uma alternativa segura - um spray TATP", Denis Loctier (Euronews/@Loctier) da euronews foi conhecer este novo produto.

É um dia movimentado no aeroporto de Bruxelas. Há passageiros que acabam de aterrar, outros que se preparam para embarcar. A polícia está lá para garantir a segurança que passa, por exemplo, por usar cães treinados, que podem cheirar quantidades mínimas de explosivos.

"Podemos treiná-los muito bem, podemos ensiná-los a detetar diferentes tipos de explosivos, e são muito eficazes em termos da forma de trabalhar e da velocidade a que o fazem. É impossível substituí-los por um robot e fazer a mesma quantidade de trabalho no mesmo tempo", explica Rony Vandaele, Diretor da Unidade Canina da Polícia Fedreal da belga.

Numa simulação as bagagens são pulverizadas com uma solução contendo TATP, ou seja, Triperóxido de triacetona, produto químico frequentemente usado por bombistas suicidas, inclusivé num atentado neste aeroporto, há alguns anos. Os cães polícia encontram, sem sombra para dúvida, as malas escondidas entre as dos passageiros.

"É TATP verdadeiro, mas numa quantidade muito pequena. Portanto, esta é uma forma muito útil e segura de treinar cães, para que possamos certificar-nos de que são capazes de detectar bombistas suicidas, dispostos a fazer ataques em espaços públicos", refere o mesmo responsável.

O spray, desenvolvido no Centro Comum de Investigação da Comissão Europeia), em Geel, é produzido com equipamentos avançados e em laboratórios controlados.

As autoridades dos países da UE utilizam-no para garantir que os seus métodos de detecção de explosivos respondem aos rigorosos padrões europeus.

"O principal componente do spray é o isopropanol, para que possa ser transportado com segurança, sempre que for necessário usá-lo. O isopropanol evapora-se rapidamente, deixando um pouco de TATP na superfície - uma quantidade muito pequena e segura de manusear", explica o analista químico deste centro europeu, Dimitris Kyprianou.

O spray está incluído num kit de teste, com amostras de vários materiais perigosos, produzido por inspetores de segurança da aviação. Eles são treinados para usar este kit com equipamentos como os detectores eletrónicos que os passageiros costumam ver nos postos de controlo de segurança dos aeroportos.

"Eles funcionam com uma tecnologia chamada IMS, espectrometria de mobilidade iónica, o que facilita a detecção de quantidades muito pequenas de explosivos", adianta a química orgânica, Gabriela Diaconu.

O spray está a ser usado em termos de formação da equipa de segurança e permite que os inspetores verifiquem se os detectores eletrónicos identificam o TATP de maneira rápida e fiável.

"É usado para verificar os instrumentos e confirmar se eles têm um desempenho de alto nível. É muito fácil de usar e é seguro", explica a mesma investigadora.

O equipamento analítico de alta precisão controla a quantidade e a pureza do TATP nos sprays que são produzidos, garantindo que esta nova tecnologia é fiável e eficiente.

"Ele fornece as ferramentas necessárias para as autoridades verificarem o equipamento ou trabalharem melhor com os cães. É claro que estamos a trabalhar para aumentar a segurança na Europa, para que as pessoas que vão a um concerto ou viajem de avião possam estar em segurança, possam viajar ou participar num evento de maneira segura", explica o Chefe da Unidade de Transporte e Segurança nas Fronteiras, Bartel Meersman.

E ao eliminar a necessidade de utilização de explosivos perigosos, no treino de cães, este novo spray ajuda a manter toda a equipa em segurança.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.