Última hora
This content is not available in your region

Rimini celebra centenário de Federico Fellini

euronews_icons_loading
Rimini celebra centenário de Federico Fellini
Direitos de autor  EN
Tamanho do texto Aa Aa

A cidade italiana de Rimini presta homenagem a um dos principais filhos da terra, o realizador de cinema Federico Fellini que nasceu nesta cidade do Adriático no dia 20 de janeiro de 1920.

Para enaltecer o centenário do nascimento do virtuoso do cinema italiano, foi concebida uma exposição com documentos originais, mas também, um passeio pela cidade para "revisitá-la" a partir de uma perspetiva felliniana...

"Fellini costumava dizer tudo com imagens. Vista de cima, imaginamos que esta passadeira vermelha entra num teatro extraordinário, feito pelo arquiteto Poletti e inaugurado por Verdi no século XIX, atravessa-o, sobe ao palco e, por detrás, abre-se uma escotilha para uma porta que tem vista para o castelo renascentista de Malatesta", contou o presidente da Câmara Municipal de Rimini, Andrea Gnassi.

Federico Fellini viveu em Rimini até os 18 anos, altura em que rumou a Roma para se embrenhar no mundo da sétima arte.

No entanto, o realizador nunca esqueceu as origens e a cidade reclama para si, hoje, o título de "Città della Dolce Vita"...

O principal foco da exposição do centenário do nascimento de Fellini, encontra-se no Palazzo Valloni, onde ficava a antiga sala de cinema Fulgor, onde o cineasta viu os primeiros filmes, quando era criança.

Tendo uma passadeira vermelha como fio condutor, a pequena localidade do Adriático transforma-se numa narrativa envolvente através de filmes, documentários, entrevistas, argumentos, cartas, partituras, adereços e, claro, muitos figurinos.

"Assim como Bilbao fez o museu Guggenheim, fazemos um museu internacional com três eixos: o Castelo Renascentista Malatesta, o cinema Fulgor e uma praça que une o cinema e o castelo, que se tornará um "Circus Amarcord" ou um grande cenário como em Otto e Mezzo", referiu o autarca.

A exposição "Fellini 100 - Immortal Genius" estará patente até 15 de março de 2020 e é o primeiro núcleo de um museu internacional sobre Fellini tem abertura prevista para dezembro do próximo ano.