Última hora
This content is not available in your region

UE reforça ajuda humanitária aos deslocados internos na Síria

euronews_icons_loading
UE reforça ajuda humanitária aos deslocados internos na Síria
Direitos de autor  Euronews
Tamanho do texto Aa Aa

O cessar-fogo na província síria de Idlib decidido pelos líderes da Turquia e da Rússi, que entrou em vigor à meia-noite, foi saudado pelo chefe da diplomacia da União Europeia, Josep Borrell, à entrada para um conselho europeu de Negócios Estrangeiros, sexta-feira, em Zagreb (capital da Croácia).

"É uma boa notícia. Pelo menos é sinal de boa vontade. Vamos ver se se mantém, mas é uma pré-condição para aumentar a ajuda humanitária para as pessoas em Idlib", disse Borrell.

Na reunião extraordinária foi aprovado um pacote de ajuda humanitária para um milhão de pessoas deslocadas internamente na Síria. O cessar-fogo deverá permitir manter abertos os corredores humanitários, o que foi realçado pelo ministro austríaco.

"No final das contas, desejamos criar condições para que quase um milhão de pessoas deslocadas internamente possa ter um mínimo de segurança e de condições de vida no seu país", afirmou Alexander Schallenberg.

DHA
SyriaDHAUgur Can

Críticas à pressão da Turquia

Contudo, não foi aprovada nova verba para a Turquia, que tem uma cordo de gestão de migração com a União Europeia desde 2016. A decisão turca de incentivar os refugiados no seu país a partirem para a Europa é alvo de repúdio.

"A Turquia está, atualmente, a exercer pressão sobre a Europa de uma maneira inaceitável. Não se deve usar seres humanos que buscam uma vida melhor para pressionar a Europa", criticou Stef Blok, ministro dos Negócios Estrangeiros dos Países Baixos.

Os ministros instaram a Turquia a combater a "informação falsa" que circula entre os refugiados de que as fronteiras da União Europeia estão abertas para evitar maios cenas de violência e desespero como as dos últimos dias.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.