EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Os desafios dos transportes londrinos

Os desafios dos transportes londrinos
Direitos de autor AP
Direitos de autor AP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Governo britânico apela ao uso de carro, quando possível, mas automobilistas denunciam preços elevados das portagens urbanas.

PUBLICIDADE

Nas grandes cidades, o regresso ao trabalho implica muitas vezes combinar diferentes meios de transporte, entre comboios, metros e autocarros. Em alturas de crise sanitária, viajar desta forma em áreas metropolitanas como Londres multiplica os desafios.

O responsável local pela AECOM, a empresa que faz a gestão das infraestruturas ferroviárias britânicas, afirma que "irá possivelmente haver mais pessoal a controlar as estações". Russell Jackson explica que "as filas serão mais ordenadas, o controlo dos bilhetes será mais apertado, de forma a evitar a concentração de pessoas nas plataformas. A organização depende do trajeto a ser efetuado".

A jornalista Victoria Smith realça que "o governo aconselha à utilização do automóvel, se possível, para ir trabalhar. No entanto, os elevados custos das portagens urbanas de Londres levam as pessoas a optar pelos autocarros e comboios. Muitos apelam à obrigatoriedade do uso de máscara, o que não é o caso".

Mick Cash, do sindicato dos transportes britânicos (National Union of Rail, Maritime and Transport Workers), sublinha que "quem trabalha nos comboios Eurostar, que fazem a ligação a Bruxelas ou Paris, é obrigado a usar máscara, assim como os passageiros". Mas assim que circulam nas estações de Londres, já não.

Os elevados custos das portagens urbanas de Londres levam as pessoas a optar pelos autocarros e comboios
Victoria Smith
Jornalista

A questão é ainda mais premente perante a quantidade de vítimas mortais da Covid-19 entre trabalhadores dos transportes londrinos:mais de quatro dezenas, sobretudo condutores de autocarros.

Uma utente dizia-nos que "a maior parte dos passageiros usa máscara", mas que, de vez em quando, há pessoas que não respeitam as distâncias.

Depois, há a alternativa da bicicleta. O governo britânico criou um fundo de investimento de 250 milhões de libras para melhorar as ciclovias. No entanto, para muitos não é uma opção viável e resta enfrentar os riscos inerentes às deslocações para o local de trabalho.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Críticos denunciam falta de segurança nas autoestradas britânicas

Jovem de 13 anos morre após ataque com espada em Londres

Sunak anuncia: voos de deportação do Reino Unido para o Ruanda devem começar dentro de poucos meses