EventsEventosPodcast
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

É preciso "ultrapassar rapidamente" 2020

Marcelo Rebelo de Sousa
Marcelo Rebelo de Sousa Direitos de autor RTP
Direitos de autor RTP
De  Euronews com Lusa
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O presidente português diz que é preciso "ultrapassar rapidamente" as desigualdades e injustiças de um ano "terrível" e ter confiança no futuro

PUBLICIDADE

O presidente português diz que é preciso "ultrapassar rapidamente" as desigualdades e injustiças de um ano "terrível" e ter confiança no futuro.

Este ano, Marcelo Rebelo de Sousa não dirigiu aos portugueses a tradicional mensagem de Ano Novo por ser candidato às eleições presidências de 24 de janeiro. Os desejos para 2021 foram divulgados numa mensagem gravada para um programa da RTPÁfrica.

"É preciso ultrapassar rapidamente 2020, é preciso ultrapassar rapidamente a pandemia, é preciso ultrapassar rapidamente o que há de pior, de mais profundo, desigual e injusto na crise económica e social", disse.

"Isto aplica-se a todo o mundo, aplica-se ao mundo que fala português, à comunidade que integramos, àqueles de entre nós que estão espalhados pelos nossos Estados, um pouco por toda a parte", disse, classificando como "terrível" o ano que terminou.

Para o Presidente da República este "foi um ano difícil por causa da pandemia, da crise económica e social, das barreiras entre povos, do fechar de fronteiras e do aumento das desigualdades, das injustiças no mundo".

Numa nota otimista, expressou "esperança" e "confiança" em 2021, endereçando às populações dos países africanos de língua portuguesa (PALOP) "um abraço universal falando português".

"Acreditamos num melhor 2021. Vamos todos construí-lo em conjunto", disse.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Natal com menos restrições e Ano Novo mais limitado

Ano Novo: Guterres pede "empenho ativo" aos jovens pelo Planeta

Chega acusa Presidente da República de "traição à pátria, coação e usurpação"