AF447: Air France e Airbus julgadas em França

Queda do voo AF447 fez 228 mortes
Queda do voo AF447 fez 228 mortes Direitos de autor euronews
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Em causa está um acidente com um aparelho da companhia gaulesa que se despenhou no mar, em 2009, enquanto fazia o trajeto entre o Rio de Janeiro e Paris. Morreram 228 pessoas.

PUBLICIDADE

A companhia aérea Air France e a fabricante aeronáutica Airbus vão ser julgadas em França pelo delito de homicídio involuntário. A decisão foi proferida pelo Tribunal de Recurso de Paris.

Em causa está um acidente com um aparelho da companhia gaulesa que se despenhou no mar, em 2009, enquanto fazia o trajeto entre o Rio de Janeiro, no Brasil, e Paris, em França. Morreram 228 pessoas.

Os familiares das vítimas mostraram-se felizes com a decisão.

A presidente da associação Entraide et Solidarité AF447, Danièle Lamy, afirma que "na cerimónia de 1 de junho de 2021, poderemos finalmente dizer ao nosso povo desaparecido que chegámos ao fim do que podíamos fazer e que finalmente a sua memória será respeitada".

Ophélie Toulliou, irmã de uma das vítimas, defendeu que está feliz pois agora podem "acreditar novamente na justiça, por ver que há pessoas que investem por si próprias, que não têm medo de ir até ao fim, até ao fundo das coisas."

A decisão do Tribunal de Recurso de Paris invalida, assim, o arquivamento do caso, em 2019, no final do processo de instrução.

Segundo o Gabinete de Investigação e Análise, responsável pela investigação técnica, o avião precipitou-se no Atlântico depois de um bloqueio provocado pelo gelo e que afetou os sistemas de medição da velocidade do aparelho.

Tanto a Air France como a Airbus anunciaram que pretendem recorrer junto do Supremo Tribunal francês.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Air France e Airbus no banco dos réus por desastre do voo Rio-Paris

Airbus anuncia aumento de produção

Cimeira para um Novo Pacto Financeiro Global termina sem progressos