This content is not available in your region

Países Baixos recusam dependência energética da Rússia

Access to the comments Comentários
De  Euronews  com AP
euronews_icons_loading
A Gazprom cortou o fornecimento de gás aos Países Baixos.
A Gazprom cortou o fornecimento de gás aos Países Baixos.   -   Direitos de autor  Peter Dejong/AP 2018

A Gazprom fecha a torneira aos Países Baixos esta terça-feira porque o país recusa pagar o gás em rublos. O governo de Haia não quer depender energeticamente da Rússia, nem financiar a invasão do Kremlin à Ucrânia, uma posição que foi reiterada pelo ministro do Clima e Energia dos Países Baixos, Rob Jetten.

O governante reiterou o facto dos preços da energia serem elevados para todo o mercado mundial e reconheceu que a guerra na Ucrânia não "facilita as coisas".

"Não queremos continuar a depender do gás russo, nem alimentar o tesouro de guerra de Putin"
Rob Jetten
Ministro do Clima e Energia dos Países Baixos

Na mesma situação, encontra-se a Dinamarca, que pode vir a ficar sem gás russo. A Orsted, maior empresa de gás do país, também se vai alinhar com as sanções impostas pela União Europeia. Os dois países juntam-se à Polónia, Bulgária e Finlândia, que já viram o abastecimento da Gazprom cortado, por recusa no pagamento na moeda russa.