This content is not available in your region

Do rosa pálido ao vermelho profundo: conheça os rosés de Espanha

De  Nichola Daunton
O rosé espanhol vem em todas as tonalidades de rosa
O rosé espanhol vem em todas as tonalidades de rosa   -   Direitos de autor  ICEX/Juan Manuel Sanz

O rosé espanhol, também conhecido como rosado, é uma das mais diversificadas variedades de vinho do país. Em Espanha, apresenta-se em muitos tons de rosa e vermelho, leves, para desfrutar num dia quente de Verão, ou rosados mais profundos e complexos, que combinam perfeitamente com uma ampla gama de deliciosos pratos espanhóis.

Embora o rosé não seja tão popular em Espanha como os seus irmãos vermelhos mais escuros e brancos mais claros, muitos enólogos produzem-no, havendo um mercado de exportação florescente no Canadá, Estados Unidos, Suíça e outras partes da Europa.

"Em Espanha, os rosés não são tão populares como noutros lugares", diz Esther Pinuaga, uma enóloga da adega biológica Bodegas Pinuaga em Toledo.

"Penso que é porque tradicionalmente eram considerados vinhos menores, mas é bastante triste porque temos formas realmente interessantes e diferentes de fazer rosés em Espanha".

Como resultado, Pinguaga exporta cerca de 98 por cento do rosé que produz, algo que espera que venha a mudar nos próximos anos.

Luke Darracott e Roque Madrid, da Madrid & Darracott, uma loja de vinhos na capital espanhola, concordam.

"Espanha é muito vinho tinto, seguido pelo vinho branco, seguido pelo espumante. Fora dos meses quentes, o rosé não voa das prateleiras", dizem e acrescentam que "o consumo de rosé está a aumentar".

Apesar de um mercado hesitante, existe uma longa tradição de produção de rosé em Espanha, desde Maiorca até à Catalunha. E segundo Darracott e Madrid, existem algumas regiões de destaque, altamente consideradas e historicamente conhecidas que incluem Navarra, Cigales, Rioja, e Leon.

Embora existam variações de estilo em todo o país, existem geralmente três métodos diferentes de produção.

Prensagem direta

"Isto significa que ao colher as uvas tintas, basta pressioná-las diretamente, de modo a não as macerar com a pele. Isto significa que se obtém um vinho de cor muito, muito leve", diz Pinuaga.

Este método de prensagem direta cria vinhos de "casca de cebola" pálida, que são excelentes como aperitivo em dias quentes de verão e podem ser servidos com queijos muito leves, como o Gomero, um queijo de cabra cremoso das Ilhas Canárias.

© ICEX/Fernando Madariaga
O queijo de cabra é sempre um bom par para o vinho rosé© ICEX/Fernando Madariaga

Devido à rápida transformação no método de prensagem direta, estes rosés leves são menos expressivos e têm um aroma mais leve. Apesar dos rosés pálidos, como os produzidos no estilo provençal, estarem na moda neste momento, Pinguaga diz que os consumidores "não têm de ter medo da cor".

"Há castas espanholas onde a pele tem muitos mais pontos de cor...isto significa que os bons rosés locais que são feitos com o método de sangria tendem a ser de cor mais escura, mas isto não significa que sejam doces". Então o que é o método de sangria?

O método saignée ou de sangria

Pinuaga utiliza o método de sangria para criar os seus vinhos, com duas castas que são amplamente utilizadas para criar rosés espanhóis: Aragonez e Grenache.

Darracott e Madrid sugerem que, "qualquer uva vermelha pode prestar-se bem para fazer um rosado, desde o Pinot Noir leve como Mencía até ao grande e alcoólico Monastrell", mas também destacam que "as superestrelas em Espanha são inegavelmente Grenache e Aragonez".

© ICEX/Juan Manuel Sanz
Vários cachos de uvas tintas Grenache numa vinha velha em Secantilla, Viñas del Vero Winery, Denominação de Origem Somontano (Huesca, Aragão)© ICEX/Juan Manuel Sanz

Para criar o seu rosé, Pinuaga diz que a equipa permite que ambas as variedades repousem com a pele durante aproximadamente seis horas. Depois, "retiramos-lhe a pele e a uva fermenta sem a pele".

Este método cria rosés com mais "estrutura, intensidade, e volume", acrescenta.

Vinhos que são mais adequados para serem servidos com alimentos como peixe, queijo e o clássico cozido de lentilha espanhola, Lentejas. "Os vinhos rosé também combinam bem com a maioria dos pratos de massa", dizem Darracott e Madrid.

Devido ao tempo de maceração mais longo, estes vinhos são susceptíveis de ter uma cor mais rica e profunda e são tradicionalmente feitos na região de Navarra, no norte de Espanha.

Vinhos clarete rosé

Outra forma há muito estabelecida de produzir vinho rosé é chamada clarete. Isto implica permitir que o mosto das uvas tintas e brancas se misture. "Porque existe uma elevada proporção de branco, têm uma cor mais clara", explica Pinguaga.

Cigales, um pequeno município perto de Ribera del Duero, é famoso por fazer clarete e diz-se que os seus rosés são mais intensos e estruturados.

Darracott e Madrid sugerem que, devido à sua "frescura palatina e acidez", os vinhos clarete rosé podem quase combinar com qualquer coisa.

Dizem que isto inclui qualquer coisa "desde churrasco, como carnes grelhadas, legumes e hambúrgueres (mais os molhos doces e salgados que os acompanham) até saladas e peixe, especialmente na grelha ou em molhos vermelhos".

E com uma variedade de vinhos rosé produzidos em toda a Espanha, terá muitas oportunidades de os pôr à prova com diferentes pares de alimentos.