Como está a Europa a responder aos desafios económicos?

Em parceria com The European Commission
Como está a Europa a responder aos desafios económicos?
Direitos de autor euronews
De  Bryan Carter
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button

Os principais decisores e pensadores da matéria reuniram-se no Fórum Económico de Bruxelas para discutir o futuro económico da Europa. Que medidas prevê a UE neste campo?

Dívida, inflação, salários e emprego: Sabemos que é complicado perceber como funciona a economia. É por isso que cada episódio de Real Economy traz-lhe um curso rápido de um minuto para o pôr rapidamente a par do panorama geral. Explicamos os principais conceitos e explicamos como as políticas públicas estão a reagir à evolução da atualidade e das tendências económicas.

Durante o Fórum Económico de Bruxelas (BEF) deste ano, as mentes mais brilhantes da Europa e os decisores de alto nível reuniram-se na capital belga para avaliar e debater os desafios económicos mais prementes da UE.

Os participantes no principal evento económico da Comissão Europeia deram a sua opinião sobre o atual panorama económico do bloco, os progressos da Europa no sentido de uma transição ecológica e digital, as desigualdades sociais e a corrida para garantir matérias-primas essenciais.

Mas o que é que a Europa está realmente a fazer em relação a tudo isto? Neste último curso rápido, analisamos as medidas que a UE está a tomar para responder às nossas maiores questões.

Quais são as previsões económicas da Europa?

Nas suas últimas previsões económicas, publicadas em fevereiro deste ano, a Comissão Europeia aumentou as perspetivas de crescimento e reduziu ligeiramente as projeções de inflação, concluindo que a economia da UE deverá escapar por pouco à recessão esperada no outono passado.

Prevê-se que o PIB registe uma expansão de 0,8% em 2023 e de 1,6% em 2024. Na Zona Euro, prevê-se que o crescimento aumente 0,9% este ano e 1,5% no próximo ano.

Além disso, prevê-se que a inflação global desça de 9,2 % em 2022 para 6,4 % em 2023 e 2,8 % em 2024 na UE. Na Zona Euro, prevê-se que desacelere de 8,4% em 2022 para 5,6% em 2023 e para 2,5% em 2024.

A diminuição do consumo de gás, associada a uma maior diversificação das fontes de abastecimento, fez com que o preço de referência do gás na Europa descesse abaixo do nível anterior à guerra.

Apesar das ondas de choque causadas pela crise energética e da subsequente inflação recorde, o abrandamento no terceiro trimestre de 2022 foi mais suave do que o esperado.

No quarto trimestre, a economia da UE registou uma ampla estagnação, em vez da contração de 0,5% prevista no outono passado.

Os mercados de trabalho também registaram um forte desempenho, com a taxa de desemprego na UE a manter-se no seu mínimo histórico de 6,1% em dezembro.

A Europa está a investir em competências para o futuro?

Numa altura em que a UE procura assegurar o bom desenrolar da dupla transição ecológica e digital, e no contexto do Ano Europeu das Competências, a Comissão Europeia adotou, em abril, duas propostas para ajudar os Estados-membros no seu caminho para uma transição digital sistémica.

A primeira proposta de "recomendação do Conselho sobre os principais fatores determinantes para uma educação e formação digitais bem-sucedidas" visa colmatar o fosso digital que se acentuou à luz da crise da COVID-19, promovendo uma educação e formação digitais de elevada qualidade, inclusivas e acessíveis.

A segunda proposta de "recomendação do Conselho relativa à melhoria da oferta de competências digitais no domínio da educação e da formação" visa melhorar as competências digitais e o ensino na UE.

Espera abordar os diferentes níveis de competências digitais nos diferentes segmentos da população da UE, convidando os Estados-Membros a definir objetivos progressivos e a concentrar-se especificamente na ajuda a "grupos prioritários ou difíceis de alcançar".

Os Estados-Membros podem fazê-lo assegurando a oferta de uma informática de elevada qualidade nas escolas, desenvolvendo competências digitais para os adultos e colmatando a escassez de profissionais das tecnologias da informação.

Como é que a Europa está a procurar resolver as desigualdades sociais?

Em fevereiro, o Eurostat, o serviço de estatísticas da UE, informou que a taxa de desemprego na União Europeia era de apenas 6%.

O Eurostat também concluiu que, em 2021, cerca de 95,4 milhões de pessoas - ou mais de uma em cada cinco - na UE estavam em risco de pobreza ou exclusão social.

Enquanto os europeus suportam o peso das crises do custo de vida e energética, a Comissão Europeia apresentou, em abril, propostas legislativas para implementar o que é descrito como a "reforma mais abrangente das regras de governação económica da UE desde o rescaldo da crise económica e financeira".

As propostas têm por objetivo "reforçar a sustentabilidade da dívida pública e "promover o crescimento sustentável e inclusivo em todos os Estados-Membros através de reformas e investimentos".

A Comissão espera que as novas regras ajudem a controlar os níveis da dívida pública e a preparar melhor a UE para os desafios futuros, apoiando os Estados-membros na sua transição para uma economia verde, digital, inclusiva e resiliente.

A reforma tornará a governação económica mais simples ao :

  • Melhorar a apropriação nacional, dando aos Estados-Membros mais liberdade para definirem as suas próprias trajetórias de ajustamento orçamental,
  • Colocar uma maior ênfase no plano único de médio prazo para criar um processo coerente e racionalizado
  • Reforçar a aplicação da legislação para garantir que os Estados-Membros cumpram os compromissos assumidos nos seus planos orçamentais e estruturais.

O que está a Europa a fazer para reduzir a sua dependência das matérias-primas importadas?

A Comissão Europeia pretende resolver o problema da dependência da UE em relação às matérias-primas críticas importadas, diversificando e assegurando um abastecimento interno e sustentável de matérias-primas críticas, que são fundamentais para as indústrias europeias de emissões líquidas nulas e digital, bem como para os seus setores aeroespacial e da defesa.

Embora se espere que a procura de matérias-primas críticas aumente drasticamente, a Europa depende fortemente das importações, muitas vezes de fornecedores de países terceiros que detêm o monopólio do mercado.

Esta situação foi evidenciada pela escassez na sequência da pandemia de Covid-19 e pela crise energética que se seguiu à invasão da Ucrânia pela Rússia.

Em março, a Comissão propôs um conjunto abrangente de ações na Lei das Matérias-Primas Críticas, que visa dotar a UE dos instrumentos necessários para garantir o acesso da UE a um abastecimento seguro e sustentável de matérias-primas críticas, principalmente ao:

  • Definir prioridades de ação claras: Identificação de tecnologias importantes para as ambições ecológicas e digitais da Europa e para as aplicações no domínio da defesa e do espaço,
  • Criar cadeias de abastecimento de matérias-primas críticas seguras e resilientes na UE,
  • Assegurar que a UE pode atenuar os riscos de aprovisionamento através da monitorização das cadeias de abastecimento e da coordenação dos stocks entre os Estados-membros,
  • Investir em investigação, inovação e competências, como a Academia de Matérias-Primas, para promover competências relevantes para a mão-de-obra nas cadeias de abastecimento de matérias-primas críticas,
  • Proteger o ambiente, melhorando a sustentabilidade das matérias-primas críticas,
  • Diversificar as importações de matérias-primas críticas,
  • Intensificar as ações comerciais, incluindo a criação de um Clube das Matérias-Primas Críticas entre países com os mesmos interesses e dispostos a reforçar as cadeias de abastecimento mundiais,
  • Continuar a desenvolver parcerias estratégicas.
Partilhe esta notícia