EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Ken Loach critica austeridade em Portugal ao receber a Palma de Ouro em Cannes

Ken Loach critica austeridade em Portugal ao receber a Palma de Ouro em Cannes
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Ao receber a Palma de Ouro, este domingo, em Cannes, o realizador inglês Ken Loach criticou as políticas de austeridade na Europa, nomeadamente, em Portugal, na Grécia e em…

PUBLICIDADE

Ao receber a Palma de Ouro, este domingo, em Cannes, o realizador inglês Ken Loach criticou as políticas de austeridade na Europa, nomeadamente, em Portugal, na Grécia e em Espanha.

“Vivemos um momento perigoso na Europa. A austeridade e as políticas neoliberais conduzem as pessoas ao desespero. Milhões de pessoas na Grécia, em Portugal ou em Espanha sofrem e vivem grandes dificuldades enquanto uma pequena elite no topo é extremamente rica. Não podemos continuar assim porque há um grande desespero na base”, afirmou o realizador.

Aos 80 anos, é a segunda vez que Ken Loach recebe a recompensa máxima do maior festival de cinema do mundo. O filme premiado, “I, Daniel Blake”, conta a história de um carpinteiro de 59 anos a quem é diagnosticado um problema cardíaco. Os médicos aconselham-no a parar de trabalhar mas a Segurança Social ameaça-o com sanções financeiras se ele não encontrar um emprego.

A atriz filipina Jaclyn Rose venceu o prémio para melhor interpretação feminina. O filme do realizador filipino Brillante Mendoza desenrola-se num bairro pobre de Manila.

“Ma’ Rosa” conta a história de um mãe de quatro filhos que vende droga para sustentar a família até ao dia em que é presa.

“Depois deste prémio, muita gente vai ver o filme e o presidente do país vai também querer vê-lo, vai ficar interessado e espero que faça alguma coisa para mudar a situação”, disse a atriz filipina.

O mais recente filme do realizador iraniano Asghar Farhadi arrecadou dois prémios: melhor argumento e melhor interpretação masculina para o ator Shahab Hosseini.

“Para mim, a escrita e a interpretação são dois lados do cinema. É a minha forma de trabalhar. Quando escrevo, já estou a realizar, é a melhor definição de cinema que encontrei”, disse Asghar Farhadi.

Desta vez, o autor de “Uma separação” conta a história de um casal de Teerão obrigado a mudar de casa. Uma mudança complicada que se torna ainda mais difícil quando o casal é agredido.

O realizador romeno Cristian Mungiu venceu o prémio para melhor encenação, uma distinção partilhada com o realizador francês Olivier Assayas. É a segunda vez que Mungiu é premiado em Cannes depois de ter recebido a Palma de ouro em 2007 pelo filme “4 Meses, 3 Semanas e 2 Dias”

“É muito difícil fazer pequenas produções, filmes que não são filmados em inglês, filmes com legendas que não são filmes comerciais. É difícil encontrar um lugar no mundo do cinema. Penso que é preciso apostar na educação e certas instituições podem desempenhar um papel importante. O Festival de Cannes tem a autoridade necessária para promover os autores de cinema e preservar a diversidade”, sublinhou Cristian Mungiu.

O novo filme do realizador romeno conta a história de um médico, numa pequena cidade da Transilvânia, que sonha com um futuro brilhante para a filha. Mas a filha não tem as mesmas ambições que o pai.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Os grandes filmes dos Prémios do Cinema Europeu 2023

Monica Bellucci leva Maria Callas ao Festival de Cinema de Salónica

Realizador alemão Wim Wenders recebe Prémio Lumière em Lyon