EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

A arte e a cultura face à barbárie

A arte e a cultura face à barbárie
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A arte e a cultura devem ser reforçadas no mundo atual face às guerras, ao terrorismo e à instabilidade.

PUBLICIDADE

A arte e a cultura devem ser reforçadas no mundo atual face às guerras, ao terrorismo e à instabilidade. É a mensagem deixada pelos participantes na cimeira mundial da arte e da cultura, que este ano decorreu em Malta. O evento recebeu representantes de oitentas países.

“Em Malta, estamos conscientes de que somos um país pequeno. O setor cultural sofre devido à nossa insularidade. Por isso, temos de desenvolver a capacidade de trabalhar em rede e estabelecer relações com os outros. Esta cimeira permite-nos reunir o mundo da cultura, o que é extremamente importante para nós” afirmou Albert Marshall, presidente do Conselho das Artes de Malta.

Para os representantes presentes na cimeira, a cultura é mais do que mero entretenimento. É uma forma de criar uma visão de futuro baseada na criatividade.

“Para ser bem-sucedido é preciso ser criativo na indústria, nas artes, na ciência, na educação, na legislação. A arte reforça a criatividade. Uma fotografia, uma pintura ou uma música não só podem ser belas, como transmitem criatividade, o que é importante para encontrar novas soluções para os desafios do mundo de hoje”, disse Owen Bonnici, ministro da Cultura de Malta.

Além dos debates, a cimeira foi a ocasião para descobrir vários talentos, entre eles, o cravista iraniano Mahan Esfahani.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Art Paris 2024: a cena artística francesa no centro das atenções, com jovens talentos em destaque

Andrey Gugnin recebe o primeiro prémio de 150.000€ no Concurso Internacional de Piano Clássico 2024

Festival Balkan Trafik! dá destaque à Moldova e às suas minorias