This content is not available in your region

Conheça Magnus Ericsson, o padeiro sueco de baguetes francesas no Dubai

euronews_icons_loading
Conheça Magnus Ericsson, o padeiro sueco de baguetes francesas no Dubai
Direitos de autor  euronews   -   Credit: Dubai
De  Gorkem Sifael

Magnus Ericsson é o fundador da Viking Bageri, uma padaria que pretende revolucionar o mundo do pão no Dubai, ou, mais concretamente, das baguetes. Engenheiro de profissão, Magnus aceitou o convite para trabalhar num grupo hospitalar nos Emirados Árabes Unidos (EAU), e mudou-se para o Dubai há cinco anos e meio, com a família.

A pandemia de covid-19 colocou-o numa posição particularmente difícil, ao ter de gerir a crescente carga de trabalho e exposição no trabalho com a segurança familiar em casa.

"É assustador, [porque] queremos ter a certeza de que a nossa família está bem e por isso isolamo-nos. Mas também precisava de ter algo que me fizesse esquecer o resto", conta. Magnus descobriu esse "algo" na panificação.

A infância na Suécia foi marcada pelas horas sem fim a ver a mãe a fazer pão de canela e o pai a fazer pão, "mas a única coisa que o meu pai nunca fez foi baguetes franceses estaladiças", lembra.

Magnus decidiu experimentar fazer baguetes em casa e achou-as terapêuticas. "Quando fiz a minha primeira baguete, foi a melhor sensação, porque era muito táctil, podia sentir a massa a passar de uma fase para outra, em que finalmente estava a trabalhar comigo". O resultado foi também "muito gratificante", pois em poucas horas, saíam do forno baguetes douradas com crostas estaladiças.

MEET THE LOCALS/EURONEWS
Magnus dá forma à massa para as baguetesMEET THE LOCALS/EURONEWS

Tendo-se apaixonado pelo processo e pelo resultado, Magnus continuou a cozer em cada oportunidade que encontrou fora do seu trabalho diário, fazendo frequentemente entre 12 e 15 baguetes por dia. "Claro que tínhamos muito pão, por isso começámos a oferecê-lo aos nossos vizinhos. E, uma vez,o meu vizinho alemão disse-me que esta baguete era a melhor que já tinha comido no Dubai. Foi então que disse a mim próprio que 'agora preciso de a aperfeiçoar; preciso de fazer a melhor baguete do Dubai'", recorda-se.

Naquele momento, o engenheiro dentro da Magnus assumiu o comando. Ele mediu e mudou cada ingrediente e duração de cada passo do processo para ver o que iria acontecer. Continuou a cozer e a partilhar o seu pão com os vizinhos, que, por sua vez, o partilhavam com os seus amigos, levando a fama das baguetes aos quatro cantos da cidade.

Maria Svedenhov, mulher de Magnus e cofundadora da Viking Bageri, ainda se lembra dos primeiros dias: "Cheguei a casa, de férias, e encontrei-o a cozer como um louco. As pessoas estavam sempre a ligar e a conversar com ele no Instagram sobre o pão e eu compreendi que tínhamos de fazer algo a este respeito".

Em parceria com a KRUSH Brands, o casal iniciou a Viking Bageri. Com os clientes a encomendar o pão com quase dois meses de antecedência, o casal decidiu reunir uma equipa e transferir as suas operações para uma padaria. "A comunidade no Dubai foi fundamental para crescermos rapidamente; não fizemos qualquer publicidade, foi tudo boca a boca", diz Magnus.

O papel da comunidade é de tal forma importante, que Magnus e Maria reuniram em casa vários vizinhos e deram-lhes a experimentar 21 sabores diferentes de baguetes, conforme solicitado pelos seus clientes. Hoje, quatro desses sabores estão já à venda na Viking Bageri e mais estão em preparação.

MEET THE LOCALS/EURONEWS
Algumas das baguetes criadas por MagnusMEET THE LOCALS/EURONEWS

Enquanto Magnus continua a explorar novas técnicas e gostos para as suas baguetes, o casal está ansioso por tornar a Viking Bageri num negócio internacional, o que, para Magnus, tem tudo para correr bem, uma vez que "o Dubai tem uma grande comunidade expatriada com pessoas de todo o mundo. Portanto, se se tiver um conceito com sucesso na comunidade do Dubai, significa que pode exportá-lo para qualquer outra parte do mundo".