This content is not available in your region

A terceira onda do café no Dubai

euronews_icons_loading
A terceira onda do café no Dubai
Direitos de autor  euronews   -   Credit: Dubai
Tamanho do texto Aa Aa

Com mais de dois mil milhões de chávenas de café consumidas todos os dias, a nível mundial, o negócio do café suscita um interesse cada vez maior. A euronews falou com Matt Toogood, presidente da Raw Coffee Company, no Dubai.

euronews: Pode dizer-nos de onde vêm todos os grãos do seu armazém?

Matt Toogood: “De todo o mundo, principalmente da Ásia, de África, sobretudo do norte e do leste de África e também muito da América Central e do Sul. Procuramos grão cultivado em altitude, plantações situadas 1000 metros acima do nível do mar, onde podemos obter a qualidade mais elevada".

euronews: "O que procura quando escolhe o grão do café?"

Matt Toogood: "No início, quando visitamos a plantação, olhamos para as condições de vida das crianças para ver se elas são saudáveis e felizes. É um indicador de que o café vai ter um sabor fantástico".

euronews: "Quais são os diferentes tipos de grão que usa?"

Matt Toogood: "Há dois tipos principais de grãos. O que se vende nos cafés especializados, o arábica. O que se vende em pacotes é, geralmente, o Robusta".

Na torrefação, podemos usar temperaturas diferentes em momentos diferentes para realçar ou anular certos sabores.
Matt Toogood
proprietário de uma empresa de torrefação

A influência da torrefação nos sabores e aromas

euronews: "Como é que a torrefação altera o sabor dos grãos?"

Matt Toogood: "Cada grão de café tem no interior flavonóides. A torrefação revela esses flavonóides. Se a qualidade é elevada à partida, a torrefação realça esses sabores. É como um chefe estrelado do guia Michelin que pega num ingrediente perfeito e melhora a apresentação. Na torrefação, podemos usar temperaturas diferentes em momentos diferentes para realçar ou anular certos sabores.

euronews: "Agora, vamos falar do processo de degustação. Pode dizer-nos que tipo de sabores vamos ter?"

Matt Toogood: "Frequentemente, temos sabores a chocolate e também sabores frutados, morangos, framboesas e outras frutas de verão. Podemos também realçar os sabores a damasco, pêssego e nectarina ou a especiarias. Podemos ter todos os sabores da nossa cozinha num café.

euronews
Matt Toogood, proprietário de uma empresa de torrefação no Dubaieuronews

Os cafés mais famosos do mundo são vendidos em leilão

euronews: "Mostre-nos como obter esses sabores".

Matt Toogood: "Eu faço o seguinte: tomo um pouco de café, vou sorvê-lo e depois cuspi-lo".

euronews: "O Moka 1450 lidera o chamado movimento terceira onda do café que favorece a produção de café de alta qualidade. A euronews entrevistou o presidente da empresa Mokha 1450, Garfield Kerr.

euronews: "Quais são os vossos cafés mais famosos?"

Garfield Kerr: "Os nossos dois cafés mais famosos são o Jamaica Blue Mountain que já é comercializado há centenas de anos e é bastante famoso, especialmente no Japão, que compra 80% da produção com anos de antecedência. E depois o Gueixa etíope: a planta-mãe do famoso Gueixa do Panamá, que é geralmente vendido em leilão.”

euronews
Garfield Kerr, presidente da MOKHA 1450euronews

Os vários métodos de preparação do café

euronews: "Qual é a melhor maneira de preparar estes cafés super caros?"

Garfield Kerr: "É uma questão de preferência pessoal. Muita gente preferiria uma cafeteira Chemex porque tem uma forma que permite um equilibrio para podermos avaliar o café. Pessoalmente, prefiro o sifão porque é muito teatral e também permiteum equilibrio. Vamos agora usar a Chemex para preparar o Gueixa etíope. Vamos primeiro sentir o aroma".

euronews: "Tem um cheiro muito frutado”.

Garfield Kerr: "Exatamente. É quase como um perfume. É essa a diferença entre um café especial e um café contrato C. Podemos sentir os sabores através do aroma e cheira como frutas verdadeiras. Às vezes, cheira a chocolate, depende do sabor dominante".