Última hora
This content is not available in your region

Ópera de Weber reposta em Paris

Ópera de Weber reposta em Paris
Tamanho do texto Aa Aa

Uma comunidade muito fechada, nos anos 30, em França, uma mistura de aldeões e de feirantes de um recinto de diversão – este é o ponto de partida da reposição, em Paris, de uma ópera cómica de costumes: “Freischuttz”, no título original de Carl Maria von Weber. Ou o “Franco Atirador”, na tradução da versão francesa de Hector Berlioz, datada de 1841.

Esta reedição foi fortemente desejada por um britânico, aclamado por todo o mundo: John Eliot Gardiner que encontrámos num ensaio, aberto a convidados:

“Isto é um confronto entre as forças do bem e do mal. É um exercício metafísico que absorveu todos os filósofos do SECXVII, mas agora, num contexto romântico, acreditando que a música é o verdadeiro veículo, para expressar a emoção lírica e é o contraste entre o fascínio da vida na aldeia e da vida na floresta, como se fossem bons e generosos, e também como se o perigo e maldade fossem características deles.

Na versão francesa, Berlioz traduziu, não só, o libreto, do Alemão para o Francês, mas também compôs os recitativos que substituem os diálogos falados da versão original.

“Nos ensaios, nós só contámos a história em francês, para evitar que se caísse na armadilha de alongar os recitativos de Berlioz. Eu deixava-os cantar os textos dos recitativos, mas a olhar sempre para o relógio. E conseguiram cantá-los. Dei-lhes uma margem de dez segundos para cantar, porque a voz alonga-se mais, quando canta, do que quando fala. Mas tentaram mantê-la dentro desse tempo e fizeram-no magnificamente. Uma espécie de arranjo, com um fluxo de sentimento narrativo, qualquer coisa que veio trazer uma espécie de …pimenta”, diz Gardiner.

Inspirada pelo folclore e pela música alemãs, a ópera de Weber não é apenas um icone germânico mas tem também influências profundas das óperas italiana e francesa. Influências que Berlioz enfatizou, como reconhece o diretor da orquestra:

“Berlioz fez um trabalho fantasticamente bom, introduziu um elemento de fluidez e de continuidade, o que, de outra maneira, seria um seco ‘Singspiel’, e ligou tudo, subindo em conjunto, de forma muito discreta, mas também de forma muito pessoal e a sua personalidade está lá, na música, todo o tempo, numa linguagem francesa. Isso transporta-nos para uma matriz cultural, extraindo as influências da ópera pós-revolução francesa. Sente-se a sensualidade da linguagem francesa e a sua elegância, que é completamente diferente da atmosfera de tirolesa e de valquírias da ópera original de Weber”.

Pode ouvir e ver extratos desta obra aqui, ou na emissão da euronews.