Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Yanukovitch: "Quero que Tymoshenko prove a inocência"

Yanukovitch: "Quero que Tymoshenko prove a inocência"
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

As ambições da Ucrânia de entrar na União Europeia deviam ter saído reforçadas, esta semana, com a visita do presidente Viktor Yanukovitch a Bruxelas, mas as relações entre as duas partes foram afetadas pela detenção da líder da oposição Yulia Tymoshenko e a viagem adiada. A Europa receia que na base da sentença de sete anos por abuso de poderes estejam motivações políticas. O nosso correspondente na Ucrânia efetuou uma entrevista exclusiva ao presidente ucraniano.

Euronews:
De acordo com as críticas provenientes de outros países, o sistema judicial na Ucrânia não é independente. Dizem que o senhor enquanto presidente tem poder para influenciar este tipo de decisões. O que pensa sobre isto?

Viktor Yanukovitch:
As reformas no sistema judicial não são motivo de desilusão para os líderes europeus. Há mais de um ano e meio, começámos a tratar destes assuntos e a pensar sobre decisões sistemáticas. Estamos a fazer isto no processo de integração na União Europeia, mas o que estamos a fazer é para o nosso próprio bem. Percebemos que os nossos padrões jurídicos precisam de mudar.

Euronews:
Se houver esta reforma, Yulia Tymoshenko vai ser libertada?

Viktor Yanukovitch:
O caso Tymoshenko é muito controverso, porque contém inúmeros abusos da lei. Poderia ser abordado a dois níveis: um é político, o outro é criminal. Estamos a falar de evasão fiscal, de perdas para o orçamento nacional, de gás que não passou pela alfândega, mas que foi vendido ao povo ucraniano. Estamos a falar de perdas para o país.

Euronews:
Então, está a dizer que a União Europeia está errada quando critica a Ucrânia neste caso… Porque a impressão é que há outras razões, como o facto de Tymoshenko ter encerrado uma empresa muito próxima dos interesses do seu partido…

Viktor Yanukovitch:
No caso de Tymoshenko é impossível chegar a alguma conclusão. As conclusões só podem ser tiradas pelos tribunais. Aqui temos de levar em conta casos judiciais que ocorreram no estrangeiro, como o caso Lazarenko nos Estados Unidos e o caso do general Oliynic na Rússia.

Euronews:
Os responsáveis da União Europeia parecem ignorar este tipo de alegações que faz, até, porque, aparentemente, a alegação que foi objeto do julgamento foi, na verdade, a assinatura, o que é considerada uma abordagem política e não criminal, pela maior parte dos observadores internacionais. O que é que se passa?

Viktor Yanukovitch:
Eu nunca usei a minha posição para pressionar os legisladores dos tribunais ucranianos. Quero que Tymoshenko prove a sua inocência. Se cometeu um erro e todo o país sofre com ele, ela deve admiti-lo. Se não pagou impostos, deve admiti-lo e pagá-los. Tudo isto vai parecer natural. Por todos os meios, queremos que a Ucrânia cresça, se integre e adote padrões e regras europeias, novos e modernos.

Euronews:
Estas acusações vêm da comunidade internacional, não vêm?

Viktor Yanukovitch:
A Ucrânia começou a mudar para melhor, mas colocar-nos sob pressão é errado. É um processo e este processo ainda está em progresso, mas já está a trazer mudanças positivas.