Última hora

Última hora

PME da Estónia na vanguarda da tecnologia

Em leitura:

PME da Estónia na vanguarda da tecnologia

PME da Estónia na vanguarda da tecnologia
Tamanho do texto Aa Aa

Estamos em Tartu, na Estónia, segunda cidade deste país com pouco mais de um milhão de habitantes, que é também o mais ligado à internet em toda a Europa e um dos mais avançados em termos de novas tecnologias. Aqui, é possível montar uma empresa em 24 horas na net e podemos votar com o telemóvel. As tecnologias “made in” Estónia estão a ser exportadas para todo o mundo.

Entre as histórias de sucesso está a desta empresa, criada em 2007 por um grupo de estudantes, a partir de uma ideia simples: criar um sistema de pagamento através dos telemóveis, para compensar a falta de cartões de crédito junto dos estudantes ou em certos países emergentes.

Cedo, esta empresa percebeu que, para se desenvolver, precisava de passar as fronteiras. Por isso, recorreu à Enterprise Europe Network, uma rede criada pela Comissão Europeia, que conta cerca de 600 organizações membros, junto das quais as pequenas e médias empresas obtêm conselhos, contactos e todo o tipo de ajuda na conquista de novos mercados.

Martin Koppel e Andrei Dementjev são, respetivamente, presidente e chefe de operações da Fortumo: “Isto ajudou-nos a assumir mais riscos e a tentar mais mercados, o que não aconteceria se estivéssemos sozinhos. Deu-nos um melhor background financeiro”, diz Martin.

Andrei acrescenta: “Estabelecemos várias parcerias com empresas europeias, através desta rede e através desses contactos, das reuniões que fomos tendo com a ajuda dos vários programas europeus”.

Hoje, a empresa tem parcerias com PME de mais 60 países espalhados pelo mundo. Tem um escritório em São Francisco e trabalha com os maiores programadores de jogos do planeta.

“Há dois anos, não imaginávamos sequer escrever um e-mail a empresas destas, ou vir a trabalhar com elas. Agora, trabalhamos com os trinta maiores criadores de jogos, a nível mundial. Estamos a ter um feedback positivo deles, eles gostam do que fazemos e como fazemos e esse é o melhor sinal de sucesso para nós”, explica Andrei Dementjev.

Os outros sinais não enganam: o quadro deve passar de 25 a 35 empregados este ano. A faturação do ano passado foi de mais de 4,3 milhões de euros, o dobro dos números de 2010.

E as chaves para o sucesso, quais são?

Andrei: “Pensar em termos internacionais a partir do primeiro dia”.

Martin: “É preciso estar onde estão os clientes”.

Andrei: “… E aproveitar as oportunidades”.