A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

UE desenvolve sistema de resposta rápida aos acidentes

UE desenvolve sistema de resposta rápida aos acidentes
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

As primeiras horas que se seguem a um desastre são essenciais para limitar o número de vítimas e os estragos. Muitas vezes, são precisas várias horas até se perceber a verdadeira dimensão de um acidente, o que dá azo a que aconteçam imprevistos.

Um programa da União Europeia tenta encurtar esse tempo, através de um sistema capaz de tratar dezenas de dados em tempo real, o que deve vir a ajudar as equipas de emergência.

“Todas as informações são harmonizadas de forma a criar uma imagem única para os decisores, para que possam perceber exatamente o que está a acontecer na zona do acidente e tomar a decisão certa”, explica Gideon Hassani, coordenador do projeto.

O sistema foi testado numa zona na fronteira franco italiana, com o simulacro de um acidente aéreo.

Em apenas uma hora, o sistema, autónomo em termos de energia, conseguiu ser acionado, com tudo a funcionar. A falta de informações parece ser o maior problema para as equipas que lidam com desastres.

“Muitas vezes, nestas operações, o diretor dos socorros está completamente às cegas, não sabe o que se está a passar no terreno. Por isso, vamos tentar recolher imagens e dados, para que ele possa julgar e decidir qual a melhor maneira de enfrentar a crise”, explica o coronel Claude Picard, da Proteção Civil francesa.

O projeto baseia-se em sensores que são espalhados pela área do desastre e fazem medições de todo o tipo – temperatura, pressão, vento ou a eventual presença de gases tóxicos.

Para garantir o controlo visual da situação, há drones e balões com câmaras a bordo – tecnologia militar usada para salvar vidas.

“Ao usarmos câmaras de visão noturna e de infravermelhos, podemos voar com elas numa floresta como esta e identificar pontos quentes. Isso faz-se em contextos militares mas pode ser feito também numa situação de emergência, para identificar pessoas ou objetos que têm uma temperatura mais elevada que o ambiente. Podemos assim dirigir as equipas de emergência para quem precisa delas para sobreviver”, explica Felix Frisch, da Aeronautics Sys.

O projeto pretende desenvolver um sistema de comunicação de crise que seja revolucionário. Para os bombeiros, é um instrumento para aumentar a eficiência do trabalho. Diz Leonardo Bruni, chefe dos bombeiros de Imperia (Itália): “Estas ferramentas devem estar ao melhor nível, prontas para intervir num tempo muito curto. O balão atmosférico ativa-se muito rapidamente e pode adaptar-se a situações de salvamento reais.

O sistema pode funcionar com qualquer tipo de desastre ou acontecimento. Tremores de terra, motins, cheias ou acidentes. Num futuro próximo, pode tornar-se na ferramenta fundamental para a proteção civil europeia.