Última hora
This content is not available in your region

Ecofin liberta Hungria do procedimento por défice excessivo

Ecofin liberta Hungria do procedimento por défice excessivo
Tamanho do texto Aa Aa

A Hungria sai do procedimento por défice excessivo ao fim de nove anos. Trata-se de uma vitória para o governo húngaro de Viktor Orban, cuja política de austeridade pouco ortodoxa foi muitas vezes criticada pelos dirigentes europeus, organismos internacionais e analistas.

No primeiro trimestre, a economia húngara saiu da segunda recessão. Com 0,7%, foi uma das poucas que cresceu na União Europeia. Mas se Orban controlou o défice, o nível de vida dos húngaros continua a ser um terço inferior à média europeia.

Nas ruas, não há motivos para festejar. Uma habitante de Budapeste defende que “não se podem sentir seguros e não se sabe o que vai acontecer no futuro na União Europeia. A situação financeira, em todo o mundo e não apenas na Europa, é que nunca se sabe quando se precisa de ajuda.”

A Comissão Europeia estima que o défice húngaro atinja, este ano, os 2,7% do PIB, apesar do crescimento ser moderado, de escassos 0,2%.Já a inflação vai rondar os 2,6%.

Mas a dívida húngara atinge os 80% do PIB. É uma das mais elevadas da Europa Central. E para baixar o défice, Budapeste aumentou ou criou impostos sobre setores com forte investimento estrangeiro. Alguns investidores perderam a confiança e garantem que não pretendem regressar ao país.

Segundo o FMI, o investimento na Hungria caiu para mínimos de uma década. Com o sacrifício de uma parte do potencial económico, até que ponto o crescimento húngaro é sustentável? A euronews entrevistou o ministro húngaro da Economia.

euronews: Como é que avalia esta decisão do Ecofin?

Mihaly Varga: Em 2011 e 2012, a Hungria mostrou claramente que consegue manter o seu défice abaixo dos 3%. Agora, passados 9 anos, a Comissão Europeia propôs deixar a Hungria de fora dos procedimentos por défice excessivo. O Conselho dos Ministros das Finanças aprovou inequivocamente essa proposta. Por isso, 9 anos depois, a Hungria pode encerrar este capítulo.

euronews: Esta semana, o governo anunciou mais um programa de austeridade, apesar de o défice orçamental ter caído significativamente. Mas já se sabia da proposta da Comissão para deixar a Hungria de fora do procedimento. Era necessário mais este programa?

MV: Era necessário por duas razões. Por um lado, a Hungria não quer ser um dos países a reduzir temporariamente o défice para depois este disparar outra vez e ser alvo de procedimento. A Comissão Europeia prevê que tenhamos um défice de 2,9% do PIB em 2014. Por isso, o governo decidiu fazer pequenos ajustes para que o défice possa descer ainda mais. A outra razão é que a taxa de inflação está nos valores mais baixos desde há 38, 39 anos, o que é uma boa notícia para a economia e para a população. Mas é problemático em termos de orçamento. Daí que o governo pretenda que o parlamento altere o orçamento até ao final do ano. O executivo quer avançar com alternativas que compensem a quebra nas receitas.

euronews: Segundo as recomendações da Comissão Europeia, os impostos extra que a Hungria criou, e que incidem em setores como a banca e as telecomunicações, vão prejudicar o crescimento. Agora que o país já não é alvo de procedimento, a abordagem vai mudar?

MV: Ao longo dos últimos três anos, a política fiscal húngara tem sido muito disciplinada. Em 2013 e 2014, vamos ficar abaixo dos 3% do PIB, e queremos manter essa fasquia, mesmo que sejam necessárias medidas adicionais. Apesar de haver eleições em breve, não vamos desperdiçar dinheiro, não vamos gastar a mais, nem aumentar a dívida nacional.

euronews: Que outras medidas prevêem para estimular o crescimento económico?

MV: Acreditamos que a economia húngara vai entrar num período de crescimento. O Estado tem de utilizar os recursos disponíveis para apoiar o investimento. Alguns desses recursos vêm da União Europeia. Para que o dinheiro seja gasto de forma eficaz, os ministros têm de decidir quais as áreas económicas que mais precisam de fundos.