Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Cimeira da Parceria Oriental

Cimeira da Parceria Oriental
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

“A União Europeia realiza a terceira Cimeira da Parceria Oriental no final deste mês na Lituânia. De que se trata?

Pierre Verluise, autor e diretor o site francês de geopolítica: “A Parceria Oriental deriva de alguma forma da Política Europeia de Vizinhança, que data de 2004. A data é significativa: 2004 marca o alargamento da UE a dez países, incluindo oito países da Europa Central e Oriental.

Desde 2009, que a Política Europeia de Vizinhança desenvolve uma preocupação específica com as fronteiras orientais. A política oriental da UE refere-se a seis países que são ex-Repúblicas Socialistas Soviéticas: Bielorússia, Ucrânia, Moldávia, mas também do Cáucaso: Arménia, Azerbaijão e Geórgia. O que está em jogo são as fronteiras orientais da União Europeia, o espaço que existe entre a UE e a Rússia.

A questão é que cada parceiro deve mover os seus próprios peões. E o que faz a UE em relação a isso? Diz: “A priori, não vão ter acesso às instituições da União Europeia, no entanto, estamos prontos para apoiar e ajudar, e para financiar, para que se possam aproximar dos nossos padrões.”

De fato, os cálculos subjacentes dividem a UE, porque se um país como a França não planeia integrar estes seis países na UE, talvez um país como a Polónia, ou pelo menos alguns dos elementos da classe política polaca, não se importassem de ver a Ucrânia e, porque não um dia, a Bielorússia na UE. Quanto aos romenos, seria a Moldávia a aproximar-se da União.

Países parceiros também estão em diferentes comprimentos de onda. Por exemplo, a Arménia é historicamente próxima da Rússia por uma razão muito simples: a Turquia está do outro lado da fronteira arménia.

De acordo com o presidente cessante, a Georgia estava muito próxima do Ocidente em geral, da NATO em particular, e da UE por defeito. O Azerbaijão é um país com enormes recursos petrolíferos que interessa à UE. Portanto, os cálculos são estratégicos e geopolíticos. É uma questão de poder e trata-se de um equilíbrio com a Rússia, que também tem uma cultura de geopolítica, estratégia e de equilíbrio de poder.”

Se gostaria de colocar uma pergunta em U-talk, clique no botão abaixo: