Última hora
This content is not available in your region

Um Telescópio Extremamente Grande para um Universo Infinito

Um Telescópio Extremamente Grande para um Universo Infinito
Tamanho do texto Aa Aa

O deserto de Atacama, no Chile é famoso por não ter nada, não tem água, nem plantas, nem animais. O que faz dele o local perfeito para acolher um projeto verdadeiramente inovador, a construção do E-ELT, o European Extremely LargeTelescope ou o Telescópio Europeu Extremamente Grande.

Rob Ivison, Diretor de Ciência do ESO ( Observatório Europeu do Sul) conta que: “estamos a fazer explodir o topo da montanha para dar lugar a uma estrutura que supera tudo o que já foi construído antes.”

Roberto Tamai, Gestor do Programa E-ELT do ESO diz:“daqui, a 25 km de distância, parece pouco, mas estávamos a explodir 5 mil metros cúbicos de rocha, algo como 11 mil toneladas de rocha que foram pelo ar.” Essas rochas em questão estão no topo da Cerro Armazones. Uma montanha de 3 mil metros em breve vai ter uma plataforma de 150 metros de diâmetro no cume. É lá que o Observatório Europeu do Sul vai construir o E-ELT. Tão alto como um estádio de futebol, com um enorme espelho de 39 metros. Se é assim tão remota e inacessível e com uma paisagem que mais parece Marte do que a Terra, porque é que o ESO optou por construir o novo telescópio aqui? Rob Ivison explica: “Passámos muito tempo a investigar qual das montanhas tem os céus mais limpos, a que tem mais noites sem nuvens e aquela onde o céu é menos cintilante. Esta ficou no topo da lista é por isso que vamos construir o telescópio aqui.”

O E-ELT vai ser operado a partir do observatório do Paranal do ESO a 25 km, um oásis no deserto que já foi destacado num filme do James Bond. Há silêncio durante o dia e agitação ao anoitecer, assim que os astrónomos começam a trabalhar. Todas as noites os astrónomos trabalham na recolha de dados para os cientistas da Europa e observam tudo, desde galáxias distantes até aos planetas do nosso sistema solar. O E-ELT vai ser um instrumento extremamente poderoso. Como reforça Valentin D Ivanov, Astrónomo do ESO: “há estrelas que mal conseguimos detetar a partir do espaço, ou a partir do solo, não conseguimos captar um espetro com o que temos agora. Com o E-ELT, vamos conseguir fazer isso, vamos conseguir fazer tantas outras coisas… É de cortar a respiração.”

Então como é que o E-ELT pode ser comparado com os melhores telescópios no espaço Máquinas como o Hubble da ESA e da NASA têm uma visão ininterrupta do universo a partir da órbita. E conseguem observar comprimentos de onda que não conseguimos ver a partir do solo. Mas o E-ELT vai captar mais luz, e observar pormenores mais nítidos.

Ewine van Dishoek, Professor de Astronomia, da Universidade de Leiden adianta que: “muitos astrónomos vão complementar dados do espaço e do terreno. É o que estão a fazer agora também. Estão a usar dados do Telescópio Espacial Hubble, que encontra objetos muito tênues e depois usam o VLT para captarem um espetro.”

Alguns desses objetos muito tênues são planetas que orbitam em torno de outras estrelas. Estes exoplanetas vão ser um alvo central do E-ELT quando estiver construído daqui dez anos. “Vamos conseguir fotografar planetas que circundam outras estrelas, pela primeira vez vamos conseguir determinar se têm algum sinal de vida. E é claro que, no contexto em que vivemos, isso vai mudar tudo. Vai ser um mundo diferente, sabendo que não estamos sozinhos”, conclui Rob Ivison.

A busca por vida noutros planetas continua, com o E-ELT a juntar-se, em breve, aos telescópios espaciais e terrestres no, quase sem vida, deserto de Atacama.

Colosimo Photography

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.