EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Reportagem euronews: Jordânia chora piloto e promete destruir o Estado Islâmico

Reportagem euronews: Jordânia chora piloto e promete destruir o Estado Islâmico
Direitos de autor 
De  Ricardo Figueira com MOHAMMED SHAIKHIBRAHIM
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

A euronews esteve presente nas cerimónias de homenagem ao piloto jordano queimado vivo pelo grupo armado Estado Islâmico.

PUBLICIDADE

Foi debaixo de uma onda de emoção que o Rei Abdullah II da Jordânia chegou a Karak, a cidade de onde era originário o piloto de caça capturado e queimado vivo pelo grupo extremista Estado Islâmico. O Rei deu condolências à família e prestou homenagem a Muath al-Kaseasbeh, A euronews falou com a família.

Ehab al-Kaseasbeh era primo do piloto: “Foi aqui que ele se casou e é aqui que o estamos a homenagear. Não consideramos isto uma cerimónia fúnebre, mas outro casamento para Muath, que agora está com Deus”.

O deputado Mazen al-Dalaeen participou também nas cerimónias: “Pedimos à comunidade internacional e à coligação para fortalecerem a ofensiva contra esta organização terrorista, que não tem nada a ver com o Islão. É uma organização brutal que está a matar inocentes”, disse.

Em homenagem ao piloto, o local da homenagem foi sobrevoado por aviões da Força Aérea jordana, que entretanto participou em novas missões na Síria.

“Jordanos, árabes e a comunidade internacional mostram solidariedade para com a família do piloto Muath Al-Kaseasbeh, que se tornou um herói e um símbolo da luta contra o grupo Estado Islâmico. As pessoas aqui dizem que o crime que foi cometido vai acelerar a aniquilação deste grupo terrorista”, disse o repórter da euronews no local, Mohammed Shaikhibrahim.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Polícia francesa mata homem que tentava incendiar sinagoga em Rouen

Ataque terrorista de Moscovo: tribunal rejeita recurso de um dos suspeitos

Polícia trata esfaqueamento de Sydney como "ato terrorista"