Última hora
This content is not available in your region

Registo de Identificação de Passageiros

Access to the comments Comentários
De  Isabel Marques da Silva
Registo de Identificação de Passageiros
Tamanho do texto Aa Aa

Desde os ataques terroristas em França, no início do ano, as instituições europeias aceleraram o trabalho para criar um registo de dados de passageiros aéreos.

Os terroristas são muito sofisticados hoje em dia e não fazem voos diretos, optando por fazer escalas. Isso é algo que podemos monitorizar, mas que se está a tornar mais complexo.

O objetivo é controlar movimentos de pessoas relativos a países mais problemáticos do ponto de vista do extremismo islâmico, tais como a Síria o o Iraque.

O eurodeputado conservador britânico Timothy Kirkhope explica que “os terroristas são muito sofisticados hoje em dia e não fazem voos diretos, optando por fazer escalas. Isso é algo que podemos monitorizar, mas que se está a tornar mais complexo. A minha proposta visa ajudar as autoridades a vigiar os passos das pessoas suspeitas”.

O partido dos verdes europeus mostra-se cético sobre a necessidade de guardar mais dados da vida privada dos cidadãos e questiona a utilidade desse registo para travar terroristas.

A eurodeputada holandesa Judith Sargentini afirma que “os atacantes envolvidos no caso Charlie Hebdo, no caso de Toulouse, no caso do Museu Judaico de Bruxelas e no caso de Amesterdão – no qual foi assassinado Theo van Gogh – eram todos conhecidos das autoridades. Porque é que não vigiam essas pessoas em vez de guardarem num computador informações sobre mim e sobre você?”

A correspondente da euronews em Bruxelas, Margherita Sforza, acrescenta que “a aprovação de um registo europeu de passageiros implica o diálogo entre três instituições europeias: Parlamento, Comissão e Conselho dos Estados-membros. Só depois poderá surgir uma proposta que desbloqueie o impasse, mas esse é um processo negocial que ainda vai demorar muito tempo.”