Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Schulz nega tratamento diferenciado para França e Grécia

Schulz nega tratamento diferenciado para França e Grécia
Tamanho do texto Aa Aa

Face à decisão da Comissão Europeia de dar mais dois anos à França para corrigir o défice excessivo, a euronews pediu a reação do presidente do Parlamento Europeu (PE), sobretudo tendo em conta a situação vivida na Grécia.

A França também está sob um escrutínio orçamental e não existe um tratamento diferenciado.

Martin Schulz disse que “a França está a fazer grandes cortes no orçamento, existe um plano para reduzir a despesa pública em 50 mil milhões de euros. As pessoas que se manifestam nas ruas de França não o fazem porque o governo lhes dá presentes. Não, a França também está sob um escrutínio orçamental e não existe um tratamento diferenciado”.

O presidente do PE realçou que a Grécia recebeu quase 250 mil milhões de euros em empréstimos externos, mas que os cofres do país foram arruindados pela evasão fiscal.

“Não se pode dizer que a Grécia foi mal tratada. Houve muita solidariedade para com a Grécia. O que se passou foi que não se verificou essa mesma solidariedade no interior do país. A maioria dos cidadãos – sobretudo jovens, pensionistas e trabalhadores – estão a pagar pelo facto dos ricos terem retirado do país milhares de milhões de euros que acabaram em paraíses fiscais. E isso é um escândalo!”, acrescentou Martin Schulz.

Desde 2011 que Comissão Europeia aceita dar mais tempo à França para baixar o défice para os 3% do PIB, como exige o Pacto de Estabilidade.

Pela terceira vez, Bruxelas prolongou o prazo para o ajuste (até 2017), sem instaurar um procedimento por incumprimento.