A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Eurodeputados querem certificação obrigatória para importadores de "minerais de zonas de conflito"

Eurodeputados querem certificação obrigatória para importadores de "minerais de zonas de conflito"
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O Parlamento Europeu deu esta quarta-feira “luz verde” a um projeto-lei destinado a impedir que as receitas provenientes do comércio de matérias-primas, como o ouro, tântalo ou tungsténio, entre outras, sejam canalizadas para financiar conflitos armados em zonas de conflito ou de alto risco.

A proposta inicial da Comissão contemplava um sistema de autocertificação por parte dos “importadores da União Europeia (UE)”, mas os eurodeputados apoiam um regime de obrigatoriedade para as empresas, refinarias e fundições, de forma a garantir a aquisição responsável e transparente nas cadeias de aprovisionamento de metais e minerais oriundos de regiões como a República Democrática do Congo.

Na sequência da votação desta quarta-feira, o Parlamento Europeu decidiu encetar conversações informais com os Estados-membros da UE em nome de um acordo sobre a versão final da lei.

Escassos na Europa, muitos destes recursos naturais são usados no fabrico de equipamentos eletrónicos. Nos Estados Unidos, as empresas são obrigadas, desde 2010, a revelar a proveniência das matérias-primas para garantir que não foram extraídas no âmbito de conflitos.