Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Tensões entre Ucrânia e Rússia prometem ensombrar Cimeira da Parceria Oriental em Riga

Tensões entre Ucrânia e Rússia prometem ensombrar Cimeira da Parceria Oriental em Riga
Tamanho do texto Aa Aa

A IV Cimeira da Parceria Oriental arranca esta quinta-feira, em Riga, mas o conflito na Ucrânia e as tensões com a vizinha Rússia prometem ensombrar o encontro.

Os chefes de Estado e de Governo da União Europeia (UE) estarão reunidos na capital letã com representantes parceiros de seis antigas repúblicas da União Soviética. Em teoria, deverão estreitar-se laços e analisar projetos de cooperação, mas na prática notam-se algumas fricções, na véspera do encontro, porque os participantes têm diferentes expetativas.

A Ucrânia, Geórgia e Moldávia não estão satisfeitos com o projeto de declaração final da cimeira porque querem um reconhecimento do direito de solicitar a adesão à UE.

Para Vaira Vike-Freiberga, antiga presidente da Letónia, esse reconhecimento não é tão essencial: “Não importa a UE. A luz ao fundo do túnel deveria ser o desempenho de um país, para bem próprio. A Europa, essa espécie de cereja no topo do bolo, não importa. O que importa é como fazemos o bolo.”

Alguns Estados-membros, como França ou Alemanha, não apoiam vários elementos que a Ucrânia, Geórgia e Moldávia querem incluir no projeto de declaração final.

Oleh Rybachuk, antigo vice-primeiro-ministro da Ucrânia, também ativista, considera que a Ucrânia não deveria exagerar nas exigências à UE: “Sentimo-nos em casa, já sentimos que fazemos parte, que estamos no mesmo capítulo, partilhando valores e visões sobre muitas matérias. A sociedade civil ucraniana não comunga de qualquer tentativa do governo de chantagear a UE exigindo mais do que o governo merece.”

Países como a Bielorrússia ou a Arménia não querem, ao que tudo indica, que na declaração final se reconheça claramente a agressão militar da Rússia na Ucrânia. Moscovo considerou a cimeira“anti-russa.”

O deputado letão Janis Urbanovics acredita que a Rússia deveria ser convidada como país observador: “Compreendo muito bem a postura da Rússia porque está dependente do que se passa nas fronteiras do país.”

A IV Cimeira da Parceria Oriental prolonga-se até sexta-feira.

Natalia Richardson-Vikulina, Euronews – “A Ucrânia, Geórgia e Moldávia dizem poder fazer uma diligência diplomática se os resultados da cimeira de Riga não forem suficientemente ambiciosos. Kiev poderá não assinar a declaração final, o que significaria um falhanço da Cimeira da Parceria Oriental.”