EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Israel ataca posições militares sírias nos Golã

Israel ataca posições militares sírias nos Golã
Direitos de autor 
De  Nelson Pereira com AFP/REUTERS/LUSA
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Pelo menos cinco civis foram mortos na sexta-feira num ataque israelita na província síria de Qouneitra, na reagião não anexada dos montes Golã, de

PUBLICIDADE

Pelo menos cinco civis foram mortos na sexta-feira num ataque israelita na província síria de Qouneitra, na reagião não anexada dos montes Golã, de acordo com a televisão estatal síria.
A aviação isarelita terá visado um carro no qual viajavam “cinco civis não armados”, segundo o correspondente da televisão síria em Qouneitra.

Entretanto o Observatório Sírio dos Direitos do Homem (OSDH) informou que os ataques israelitas de quinta-feira na mesma província mataram dois membros das milícias fiéis ao regime sírio.

Israel atingiu na quinta-feira, com artilharia e ataques aéreos, posições militares sírias nos montes Golã, na zona de fronteira com o Líbano, Israel e a Jordânia.

Segundo fontes no exército israelita, a operação foi uma resposta ao lançamento de quatro foguetes do lado sírio contra o norte de Israel.

De acordo com a mesma fonte militar israelita, por volta das 17.35 locais de quinta-feira (15.35 de Lisboa), foram disparados quatro foguetes do território sírio contra Israel, tendo dois caído em Golã e dois na Galileia.

As Forças de Defesa de Israel consideram que o ataque foi intencional e atribuem a responsabilidade ao grupo armado palestiniano Jihad Islâmico, apoiado pelo Irão, mas a organização já negou estar envolvida.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Sirenes soam em Telavive pela primeira vez em meses, depois do Hamas ter disparado rockets

Ministro israelita das Comunicações ordena a devolução do equipamento de vídeo apreendido à AP

Netanyahu critica mandado de captura do TPI como "o novo antissemitismo"