EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Seca na Etiópia "pior que a de 84", dizem peritos

Seca na Etiópia "pior que a de 84", dizem peritos
Direitos de autor 
De  Ricardo Figueira com Reuters
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Etiópia está à beira de uma crise humanitária. Segundo os peritos, esta seca é mais grave que a que causou a fome dos anos 80.

PUBLICIDADE

A Etiópia está a viver uma das maiores secas de que há memória. Segundo vários peritos, as condições são piores que em 1984, altura em que a seca gerou uma fome que matou milhares de pessoas e comoveu o mundo inteiro.

A situação é particularmente grave na região de Somali, zona mais a leste do país, junto à fronteira com a Somália.

A ONG Save the Children alerta para uma crise humanitária e para a falta de resposta da comunidade internacional: “Esta é, de longe, a pior resposta da comunidade internacional que já vi. É verdade que há outras crises, há obviamente a situação na Síria e a crise migratória, que estão a atrair muita atenção. Não vejo que estejam a dar atenção à Etiópia, sobretudo tendo em conta que o número de pessoas afetadas é muito maior que em qualquer anterior seca no país, mesmo a de 1984”, alerta John Gram, diretor local desta ONG.

In Ethiopia, children are facing the worst drought in 50 years > https://t.co/wEiKYsmuLYpic.twitter.com/AXJKm1oRsH

— Save the Children UK (@savechildrenuk) January 25, 2016

Só na região de Somali, 24 dos 68 distritos foram classificados como em emergência máxima. A seca fez já mais de 67.000 deslocados. A Save the Children está particularmente preocupada com 350.000 recém-nascidos que podem vir a sofrer com a fome e a seca até ao verão deste ano.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Cientistas dos Países Baixos tentam converter águas residuais em água potável

Seca: Governo anuncia cortes no abastecimento de água no Algarve

A crise da água na Europa: qual é a gravidade da situação e o que pode ser feito?