A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Cameron em contagem decrescente para cimeira decisiva sobre questão do Reino Unido

Cameron em contagem decrescente para cimeira decisiva sobre questão do Reino Unido
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A cimeira europeia, na qual o primeiro-ministro britânico, David Cameron, espera obter um compromisso que responda à exigências do Reino Unido para alterar a relação com Bruxelas, arranca esta quinta-feira.

Na contagem decrescente para o “Dia D” vários líderes do bloco comunitário, uns mais embalados pelo otimismo do que outros, deixaram alertas.

“Não existe um ‘plano B’. Temos um ‘plano A’: o Reino Unido vai permanecer na União Europeia”, disse o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker.

O presidente do Parlamento Europeu, Martin Schulz, acrescentou: “Claramente, a União Europeia nunca esteve numa situação tão dramática como aquela em que se encontra esta semana.”

Já Donald Tusk, o presidente do Conselho Europeu, sublinhou: “O risco de separação é real porque este processo é, na verdade, bastante delicado. É preciso gerir tudo com cuidado. O que está partido não pode ser remendado.”

Uma das propostas elencadas por David Cameron, de um novo sistema de “cartão vermelho”, tem apoiantes em outros Estados-membros. Na prática pretende-se dar ao parlamento britânico poder para bloquear propostas legislativas comunitárias que contrariam os interesses nacionais.

Mais opositores tem a exigência de pretende permitir ao Reino Unido ficar à margem de mais integração europeia. Teme-se que se possa fazer descarrilar o processo de integração para o resto do bloco.

A proposta para prevenir que os países de fora da zona euro fiquem em desvantagem face às restantes nações da moeda única também gera receios.

Uma das matérias mais polémicas, a possibilidade do Reino Unido solicitar um “travão de emergência” na concessão de apoios sociais aos imigrantes até quatro anos, esbarra na oposição de países como a Eslováquia, República Checa, Polónia e Hungria (Grupo de Visegrado.)

Na cimeira desta quinta e sexta-feira, o primeiro-ministro britânico terá de esgrimir argumentos de peso para conseguir um compromisso que satisfaça as exigências de Londres e que lhe permita fazer campanha pelo “Sim” à permanência do Reino Unido na União Europeia.