Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

A UE deve reorientar ajudas a outros países para os refugiados?

A UE deve reorientar ajudas a outros países para os refugiados?
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A União Europeia é o maior doador do mundo aos países em vias de desenvolvimento, mas os migrantes económicos não param de chegar à Europa. Porquê?

A UE é o maior doador do mundo em ajudas ao desenvolvimento: mais de 50 mil milhões de euros por ano. Mas os migrantes económicos, provenientes de países que recebem apoios, não param de chegar à Europa. Há quem defenda que o dinheiro seja canalizado para gerir a crise dos refugiados; mas também há quem aponte que isso pode agravar o fenómeno.

As ONG afirmam que reduzir as ajudas vai multiplicar o número de migrantes económicos, que suplanta o de refugiados sírios. Como é que a Europa pode gerir esta questão numa altura em que os orçamentos nacionais apertam o cinto?

Os nossos convidados no Parlamento Europeu, em Bruxelas, foram: Nirj Deva, do Comité para o Desenvolvimento e do Grupo dos Conservadores e Reformistas Europeus (CRE); Henrique Banze assistente do secretário-geral do grupo de países ACP – África, Caraíbas e Pacífico; e Eugenio Ambrosi, diretor regional da Organização Internacional para as Migrações (OIM).

Chris Burns, euronews: Porque é que existem tantos migrantes económicos quando se gasta tanto dinheiro nas ajudas ao desenvolvimento?

Nirj Deva: Porque não estamos a criar emprego nos países em desenvolvimento. O que é que há em África? Há produtos agrícolas e minerais. Será que nós permitimos que os africanos exportem a sua agricultura para cá? Será que incentivamos à criação de valor acrescentado, de uma indústria de processamento de produtos? Não.

euronews: Partilha desta visão?

Henrique Banze: Completamente. É essencial criar emprego, sobretudo tendo em conta a situação das mulheres e dos jovens que constituem a grande maioria dos migrantes na Europa. As ajudas ao desenvolvimento têm de se concentrar nos fatores que favorecem a transformação económica.

euronews: Concorda?

Eugenio Ambrosi: Historicamente, a migração sempre foi uma grande força de desenvolvimento. As remessas dos emigrantes que um desses países vai receber ao longo deste ano serão entre cinco a seis vezes maiores do que as ajudas ao desenvolvimento. Uma das razões pelas quais as pessoas migram é também para ajudar a desenvolver o seu próprio país.

euronews: As remessas ajudam, de facto, a desenvolver uma economia?

Henrique Banze: Há um grande debate em torno do contributo das remessas para o desenvolvimento. É claro que são recursos significativos para as famílias, para as comunidades. No entanto, questiona-se até que ponto é uma ajuda ao desenvolvimento, uma vez que se trata de dinheiro privado.

Nirj Deva: Não concordo. O que as remessas permitem é que as pessoas possam beneficiar da compra e venda de propriedades, por exemplo. Não geram emprego.

euronews: Tendo nascido no Sri Lanka, considera que é um erro canalizar dinheiro das ajudas ao desenvolvimento para a crise dos migrantes?

Nirj Deva: É um grande erro. Mas onde é que se vai buscar o dinheiro para gerir esta questão, tendo em conta que estamos quase na bancarrota? Devíamos era ajudar as pessoas que vivem nos campos de refugiados, não aqueles que têm força física e económica para atravessar a Europa rumo ao Reino Unido e outros países. É mais um erro.

euronews: Qual é a visão dos que acompanham de perto a crise dos migrantes…

Eugenio Ambrosi: Em parte, é verdade. É evidente que temos de ajudar as pessoas que vivem nos campos. Mas não creio que aqueles que vêm para a Europa sejam mais fortes física ou economicamente, até porque não se sujeitariam a esse longo caminho. A solução é muito mais complexa, esta crise é generalizada. Os 28 podiam aliviar o aumento da pressão migratória sobre a Europa se agissem em conjunto, como um grupo.

euronews: É um erro reorientar os fundos?

Henrique Banze: Não. O mais importante é perceber o que está por detrás destas migrações. Uma migração tem de ser abordada de acordo com várias perspetivas. E possível ajudar do ponto de vista económico e também concentrarmo-nos no fluxo migratório, que é gigantesco. Temos de olhar igualmente para os conflitos que provocam a saída das pessoas. É aí que podemos intervir também para ajudar a colocar um ponto final.

Nirj Deva: As migrações não são um fenómeno novo na Europa. Há 2000 anos que os europeus vivem vaga atrás de vaga. 38% dos migrantes vêm agora da Síria. O que aconteceria se o mesmo sucedesse no Egito?

euronews: É uma boa pergunta. No que diz respeito à reorientação de fundos, é algo que temos visto acontecer noutros casos. O dinheiro para a Índia, por exemplo, tem sido canalizado para outros países considerados mais necessitados. É uma decisão sensata?

Eugenio Ambrosi: Não, é um erro canalizar dinheiro do desenvolvimento para a crise migratória. Tem de haver uma resposta coerente e coordenada em termos de ajudas ao desenvolvimento, no sentido de prevenir as crises políticas que podem gerar movimentos migratórios. Falou-se no Egito. Mas há uma crise profunda a formar-se no nordeste da Nigéria. O que vai acontecer se a situação explodir?

euronews: Os financiamentos têm limites. O grupo de países ACP – África, Caraíbas e Pacífico representa um conjunto de Estados que ilustra contextos diferentes. Considera sensato reorientar os fundos de certos países para outros alegadamente mais necessitados?

Henrique Banze: A solução passa por uma abordagem global. A migração tem várias dimensões. Temos de gerir as questões económicas, as questões sociais, as questões políticas, as questões ligadas à segurança. A aprovação dos Objetivos para o Desenvolvimento Sustentável da Agenda 2030 é uma das formas de lidar com o problema da migração.

Nirj Deva: Posso colocar uma questão? Porque é que os países do Extremo Oriente que não receberam ajudas da União Europeia – Singapura, Coreia do Sul, a região de Hong Kong, Taiwan, Vietname, Tailândia, Cambodja – se tornaram tão ricos num período tão curto de tempo? Mas os países que assinaram a convenção de Lomé, o acordo de Cotonou, ainda vivem na pobreza. Porquê esta diferença?

Henrique Banze: Por uma simples razão. As ajudas ao desenvolvimento não são a única forma de erradicar a pobreza. Há outros fatores em jogo. É isso. Alguns dos países pobres que mencionou vivem abaixo dos limites aceitáveis. O ponto de partida é muito baixo. Vai demorar muito mais tempo…

euronews: Como incentivar ao envolvimento do setor privado nesta problemática?

Eugenio Ambrosi: O setor privado é importante. Já falámos da questão das remessas e do facto de ser dinheiro privado – é por isso que são um fator importante. Mas o Estado também não pode relegar para o setor privado a responsabilidade da cooperação internacional, não pode lavar as mãos e dizer que a responsabilidade pertence a quem tem o dinheiro.

euronews: Mas como convencer o setor privado a participar quando subsistem receios ao nível da corrupção nos países destinatários ou na forma como o dinheiro é investido…

Nirj Deva: O Comité para o Desenvolvimento do Parlamento Europeu viu, pela primeira vez em 35 anos de debate destas questões, um relatório ser aprovado. É sobre o setor privado. Mas foi um inferno. Há muita gente no parlamento que nunca fez nada pela criação de riqueza…

euronews: Como motivar o setor privado?

Henrique Banze: O setor privado é um ator importante no desenvolvimento económico e social. Os países têm de facilitar esse envolvimento. Mas não podemos colocar o peso todo do lado do Estado. O setor privado tem um papel essencial e o Estado deve simplificar o caminho.

euronews: Como é que se resolve a questão dos subsídios aos agricultores na Europa e nos Estados Unidos? Muitos afirmam que essas ajudas prejudicam os agricultores dos países em vias de desenvolvimento…

Eugenio Ambrosi: Não sei exatamente como resolver essa questão. É um grande problema que afeta, de facto, o setor agrícola nos países em vias de desenvolvimento. Quando se fala no setor privado e no dinheiro destinado ao desenvolvimento, há que relembrar também o que aconteceu no passado. A forma como essas ferramentas foram utilizadas impediu a sua eficácia.

euronews: O que fazer para contrariar o desgaste desses apoios e a ideia de que há muito dinheiro desperdiçado…

Nirj Deva: Na União Europeia estamos a falar de 60 mil milhões de euros por ano. Para enfrentar a questão a sério, temos de arranjar cerca de um bilião e isso só pode vir de um sítio…

euronews: Que é…

Nirj Deva: O setor privado.

Henrique Banze: Temos de nos concentrar no que pode impulsionar o desenvolvimento económico e, sobretudo, a iniciativa nos países em vias de desenvolvimento. Seja no setor da Educação, seja no empreendedorismo, entre outros. Há muito por fazer ainda, não é só uma questão de dinheiro. Há várias dimensões a explorar.