Suíços rejeitam endurecer lei de expulsão de criminosos estrangeiros

Suíços rejeitam endurecer lei de expulsão de criminosos estrangeiros
De  Rodrigo Barbosa com EFE
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Os suíços rejeitaram este domingo, em referendo, a proposta do partido nacionalista e xenófobo UDC para endurecer a lei que permite a expulsão de

PUBLICIDADE

Os suíços rejeitaram este domingo, em referendo, a proposta do partido nacionalista e xenófobo UDC para endurecer a lei que permite a expulsão de estrangeiros que cometam crimes. O “não” obteve 58,9 por cento dos votos e venceu na maioria dos cantões do país.

A taxa de participação atingiu os 63 por cento, bastante acima dos 40 por cento registados em média nos referendos suíços.

A ministra da Justiça, Simonetta Sommaruga, diz que foi “um dia importante, que serviu para reafirmar o Estado de Direito na Suíça, defendido pelos eleitores suíços”.

A polémica proposta, que previa a automatização da expulsão de criminosos estrangeiros, mesmo por infrações menores, contava com a oposição do governo, do Parlamento e dos restantes partidos.

Um suíço diz que “todos têm o direito de cometer erros. Há muitos suíços que cometem erros e não há razão [para expulsar] alguém porque não tem a nacionalidade, mas apenas uma autorização de residência”.

A UDC – União Democrática do Centro – é conhecida pela retórica xenófoba e contra a imigração e a União Europeia. Um cartaz com a cruz da bandeira suíça transformada em suástica nazi foi o principal foco de polémica durante a campanha pelo endurecimento da lei de expulsão de criminosos estrangeiros.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Apoio à Ucrânia em foco no segundo dia do Fórum Mundial Económico

Segurança apertada no Fórum Económico Mundial em Davos

Suíça reconhece os direitos de autodefesa de Israel