Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Radovan Karadzic: O homem que sonhava com a Grande Sérvia

Radovan Karadzic: O homem que sonhava com a Grande Sérvia
Tamanho do texto Aa Aa

Radovan Karadzic cofundou, em 1989 o Partido Democrático Sérvio para formar a denominada Grande Sérvia, através da união com sérvios dos países vizinhos. Mas o projeto de divisão da Bósnia-Herzegovina, acelerado pelo referendo sobre a independência, em março de 1992, organizado por muçulmanos e croatas bósnios, atrapalha os seus objetivos. Um mês antes tenta travar as pretensões independentistas:

“Não pensem que não vão levar a Bósnia ao inferno e os muçulmanos talvez à extinção. Os muçulmanos não poderão defender-se se houver aqui uma guerra. Como podem impedir que se matem uns aos outros na Bósnia?” – Perguntava, no parlamento bósnio.

A guerra começa em abril de 1992 após o reconhecimento da independência da Bósnia pelos Estados Unidos e pela então Comunidade Económica Europeia (CEE).

Arranca uma limpeza étnica promovida pelos sérvios bósnios no leste do território. O cerco a Sarajevo, que durou 44 meses, matou pelo menos 11 mil pessoas, foi o momento mais marcante desta guerra. Seguido pelo massacre em Srebrenica, que ceifou a vida a 8 mil pessoas.

Karadzic afastou-se em 1995, sob pressão internacional. Acabou procurado por crimes de guerra e genocídio pelo Tribunal Penal Internacional para a antiga Jugoslávia. Andou fugido 12 anos. Foi detido há oito, em Belgrado, a capital da Sérvia onde se fazia passar por curandeiro.

O “carniceiro dos Balcãs”, para os seus inimigos muçulmanos e croatas bósnios, continua a ser considerado um “herói de guerra” entre os sérvios da Bósnia-Herzegovina.