Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Zika: OMS rejeita adiar JO do Rio mas deixa aviso a atletas

Zika: OMS rejeita adiar JO do Rio mas deixa aviso a atletas
Tamanho do texto Aa Aa

O Brasil tenta afastar as inquietações que pesam sobre os Jogos Olímpicos de Agosto, da destituição de Dilma, à propagação do vírus Zika.

A Organização Mundial de Saúde rejeitou hoje, em Genebra, a possibilidade de adiar o evento desportivo, por razões sanitárias, afirmando, no entanto, que cabe aos atletas a decisão final sobre a sua participação nos jogos.

A diretora-geral da OMS, Margaret Chan, não deixou, no entanto de sublinhar os riscos do Zika, em especial para as mulheres grávidas:

“Quanto mais aprendemos sobre o Zika mais estamos preocupados. Volto a dizer que o risco do Zika tem mudado ao longo dos anos”.

A OMS tinha declarado uma emergência global face à epidemia de Zika, em Fevereiro. O vírus detetado em 60 países, teria sido responsável por 205 casos de microcefalia registados no Brasil, segundo as autoridades médicas.

O ministro do Desporto brasileiro, Leonardo Picciani, tentou, no entanto afastar os receios que pesam sobre a competição no Rio:

“As medidas de luta e prevenção estão a ser adotadas, assim como medidas de segurança pública. O mais importante é que o Brasil tenha uma mensagem positiva para o mundo neste momento. Temos a convicção de que estamos prontos e precisamos de reafirmá-lo frente à comunidade internacional e estamos abertos a receber entidades e representantes internacionais para mostrar-lhes as nossas medidas de preparação”.

E se a diretora-geral da OMS garante que vai deslocar-se ao Brasil durante os jogos, a organização anunciou um plano de acompanhamento a longo prazo dos casos de Zika no país.

Em paralelo, o novo presidente interino, Michel Temer garantiu ontem ao Comité Olímpico internacional que a mudança na presidência não vai afetar, nem a segurança, nem a logística do evento.