Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

ONU: Ban Ki-moon dececionado pela falta de líderes na Cimeira Humanitária de Istambul

ONU: Ban Ki-moon dececionado pela falta de líderes na Cimeira Humanitária de Istambul
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, e o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, mostraram-se desapontados pela ausência dos líderes mundiais na Cimeira Humanitária Mundial das Nações Unidas, de dois dias, que terminou esta terça-feira, em Istambul, na Turquia.

Dos países do G7, apenas a chanceler alemã, Angela Merkel, marcou presença.

“É um pouco dececionante que alguns líderes mundiais não tenham podido estar presentes. Especialmente aqueles de países do G7, exceto a chanceler Angela Merkel, da Alemanha. Apelo a um maior empenhamento”, afirma Ban Ki-moon.

Durante a cimeira várias organizações denunciaram as frequentes violações das leis humanitárias e da Convenção de Genebra, em todo o mundo.

Há muito trabalho a ser feito, como adianta Julie Hall da Cruz Vermelha Internacional. “Isto ajuda a levantar a questão de que existe uma lacuna entre a resposta humanitária, de emergência e de desenvolvimentos. É necessário encontrar o caminho para colmatar essa lacuna e encontrar diferentes abordagens”, conclui.

De acordo com a ONU, são necessários pelo menos 25 mil milhões de euros para prestar ajuda a mais de 130 milhões de pessoas, em todo o mundo.

Para Peter Michael, da organização não-governamental CISCOPE, discutir os problemas que assolam o mundo é já positivo. “Penso que pelo facto de as pessoas se sentarem e conversarem sobre questões que dizem respeito a todo o universo, a humanidade, o mundo, as pessoas vulneráveis, as mulheres, todos os afetados em todo o mundo, é um ponto de partida”.

A primeira cimeira Humanitária da ONU terminou e deixou mais perguntas do que respostas. As decisões serão implementadas? As promessas serão cumpridas ou, como de costume, vai tudo permanecer apenas no papel?