EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

França varrida por greves e protestos

França varrida por greves e protestos
Direitos de autor 
De  Ricardo Figueira com AFP
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Em França, os protestos contra a lei do trabalho não têm fim à vista.

PUBLICIDADE

Em França, as greves contra o projeto de nova lei do trabalho continuam por tempo indefinido. Contra a opinião das outras centrais sindicais, a CGT lidera o movimento.

Esta terça-feira, um grupo de militantes bloqueou o acesso à refinaria de Fos-sur-Mer, perto de Marselha. É também um protesto contra a classe política: “Hollande não sabe nada sobre o mundo do trabalho. Pode ter andado nas melhores escolas, mas isso não quer dizer nada. Querem reformar a lei do trabalho sem sequer saberem o que significa a palavra trabalho”, diz o sindicalista Daniel Giovagnoli.

Hollande e o governo mantêm-se inflexíveis quanto ao projeto de lei da ministra do trabalho Myriam El Khomri. Numa entrevista ao jornal “Sud-Ouest”, o presidente reiterou que a lei é para manter. Entre os pontos mais polémicos do projeto de lei, está a maior facilidade nos despedimentos por razões económicas ou ainda o alargamento da duração máxima do tempo de trabalho semanal, das 48 para as 60 horas.

Os caminhos-de-ferro entraram em greve, por tempo ilimitado, embora aqui as razões do protesto não tenham só a ver com o projeto de lei, mas sobretudo com as modificações nos horários de trabalho decididas pela empresa pública do setor, a SNCF. A greve tem o apoio da maioria dos sindicatos e deve causar fortes perturbações.

Grève nationale reconductible : prévisions trafic du 01/06, modalités ech/remboursement sur https://t.co/tupYrBjlLcpic.twitter.com/DM4VCwREBO

— SNCF (@SNCF) May 31, 2016

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

França: contestação contra reforma laboral entra no quarto mês

França: Até onde irá o braço de ferro da reforma laboral?

França: Manifestações e bloqueios abrem brechas no governo