Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Eslováquia diz que migração desafiará a sua liderança da UE

Eslováquia diz que migração desafiará a sua liderança da UE
Tamanho do texto Aa Aa

A um mês de exercer a presidência rotativa da União Europeia, o governo da Eslováquia visitou a Comissão Europeia para discutir as prioridades para o segundo semestre.

A iniciativa da Comissão sobre a política de migração e asilo tem, de facto, elementos sobre os quais não há consenso

Robert Fico Primeiro-ministro da Eslováquia

O primeiro-ministro, Robert Fico, admitiu que vai herdar da Holanda um dossiê especialmente controverso.

“Hoje falámos sobre a importante iniciativa da Comissão sobre a política de migração e asilo, e de facto há elementos sobre os quais não há consenso, pelo que será difícil chegar a um acordo”, disse o governante.

A Eslováquia foi um dos países mais empenhados em fechar as portas a refugiados e migrantes, que considera representarem um perigo para os valores e as tradições dos países europeus.

Há uma semana, Fico disse que “o Islão não tem lugar no seu país” e que “os migrantes não podem ser integrados, porque isso é algo impossível”.

Este tipo de comentários foi criticado pela Agência de Direitos Fundamentais da União Europeia, por fomentar a xenofobia.

Fico disse “estar ciente do papel da presidência”, que passa por “facilitar discussões e tentar que haja consensos”.

O governante sublinhou que muitas das propostas feitas pela Comissão Europeia tem recolhido concordância dos 28: “Quem pode ser contra o plano sobre o regresso de Schengen? Quem se pode opor à decisão politica de criar uma guarda fronteiriça europeia e quem se pode opor à discussão entre a UE e a Turquia?”, questionou.

O chefe de Governo eslovaco informou, ainda, que as prioridades da sua presidência serão adotadas mais para o final do mês, após a realização do referendo sobre a permanência do Reino Unido na União Europeia.

Além da migração e asilo, enumerou uma “Europa mais forte economicamente” e o “fortalecimento do mercado único”.