Massacre de Orlando: Reações na rua, reações da elite

Massacre de Orlando: Reações na rua, reações da elite
De  Antonio Oliveira E Silva com REUTERS
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Depois do massacre, os políticos e os líderes religiosos dos Estados Unidos quiseram juntar-se às ruas e expressar a sua solidariedade.

PUBLICIDADE

O massacre de Orlando na discoteca Pulse fica também marcado pelas condenações feitas por parte de vários líderes políticos e religiosos do país. Foi o caso do líder do Conselho para as Relações americano-muçulmanas, Nihad Awad, para quem a tolerância para com os extremismos é algo que não pode existir.

“Isto foi pura e simplesmente um crime de ódio. Condenamo-lo de forma inequívoca. Viola os nossos princípios como Americanos e como Muçulmanos. Quero ser claro ao dizer que não toleramos qualquer tipo de extremismo,” disse Nawad aos jornalistas.

Hillary Clinton, a provável candidata do Partido Democrata às eleições presidenciais foi das primeiras figuras políticas do país a reagir. Clinton deixou vários comentários na rede social Twitter, apoiando a comunidade gay dos Estados Unidos. Disse também que “é necessário manter armas como as que foram usadas no atentado longe das mãos dos terroristas e de outros criminosos violentos.”

“We need to keep guns like the ones used last night out of the hands of terrorists or other violent criminals.” —Hillary on the FL attack

— Hillary Clinton (@HillaryClinton) 12 de junho de 2016

Também no Twitter, o provável candidato Republicano Donald Trump disse que o massacre de orlando era uma razão para que o presidente Obama deixasse o cargo. Perguntou ainda ao presidente dos Estados Unidos se este iria finalmente utilizar as palavras “terrorista radical islâmico.”

Is President Obama going to finally mention the words radical Islamic terrorism? If he doesn't he should immediately resign in disgrace!

— Donald J. Trump (@realDonaldTrump) 12 de junho de 2016

Já Bernie Sanders criticou o posicionamento dos Estados Unidos relativamente às leis de venda e porte de armas.

“Há mais de 25 anos que acredito que não deveríamos vender neste país armas automáticas concebidas para matar pessoas,” disse Sanders, em entrevista a uma rede de televisão norte-americana.

All Americans are horrified, disgusted and saddened by the horrific atrocity in Orlando. Full statement: pic.twitter.com/ci5kxXKSyZ

— Bernie Sanders (@BernieSanders) 12 de junho de 2016

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Trump vence primárias na Carolina do Sul. Nikki Haley promete manter-se na corrida

Nova "Guerra das Estrelas": Rússia desenvolve sistema de mísseis nucleares antissatélite

Senado dos EUA aprova pacote de ajuda à Ucrânia