Munique: Ataque foi planeado com um ano de antecedência

Munique: Ataque foi planeado com um ano de antecedência
De  Miguel Roque Dias com Reuters; AFP; EFE
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O jovem de 18 anos, com ascendência iraniana, que na sexta-feira matou 9 pessoas e feriu outras 35 num centro comercial de Munique, na Alemanha, sofria de “fobia social” e estava a ser acompanhado por

PUBLICIDADE

O jovem de 18 anos, com ascendência iraniana, que na sexta-feira matou 9 pessoas e feriu outras 35 num centro comercial de Munique, na Alemanha, sofria de “fobia social” e estava a ser acompanhado por um psiquiatra para controlar a ansiedade e a depressão.

Durante as buscas ao apartamento dos pais, as autoridades descobriram, ainda, que Ali David Sonboly há um ano que preparava o tiroteio.

“Pelo que sabemos neste momento, através da investigação, da análise do computador e de outros documentos, o suspeito tinha planeado o ato há um ano, isso significa desde o último verão”, afirmou o presidente da Unidade de Investigação Criminal da Baviera, Robert Heimberger.

#UPDATE Munich gunman planned shooting for a year, chose victims randomly: police https://t.co/VNryoyn3kz#MunichShooting

— AFP news agency (@AFP) July 24, 2016

A investigação revelou, ainda, que o jovem comprou a arma, uma pistola Glock 17, num sítio da chamada internet negra, uma parte da internet acessível apenas através de “programas informáticos específicos, muito utilizada por traficantes, pedófilos ou terroristas.

O caso levou a que o vice-chanceler alemão, Sigmar Gabriel, afirmasse que é necessário restringir, ainda mais, a venda de armas.

Calls for EU-wide gun law as Munich killer 'buys Glock 9mm on dark web' https://t.co/fXA2dTWc0J

— The Telegraph (@Telegraph) July 24, 2016

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Incêndio em prédio de 14 andares em Valência faz pelo menos quatro mortos

501 caixões e 200 sacos com cadáveres encontrados abandonados na Argentina

Mãe de Alexei Navalny pede à justiça entrega do corpo