Última hora
This content is not available in your region

Artista alemã usa tampas de rua para fazer roupa

Artista alemã usa tampas de rua para fazer roupa
Tamanho do texto Aa Aa

Em Berlim, a arte está debaixo dos nossos pés. O projeto Raubdruckerin encontrou uma forma original de se expressar: Primeiro, pinta as tampas de canalização urbana. Depois, utiliza esses padrões para imprimir peças de roupa.

Usar a cidade, ou aquilo que a cidade nos dá, é mais urbano que o graffitti.

Marcel Schlutt Jornalista, "Kaltbult"

Emma France Raff, artista e criadora de moda, é a alma deste projeto: “Estas estampagens não são criadas por mim. Apenas as ponho num outro contexto. Vêm da superfície das ruas, do cimento e das grelhas das tampas de canalização. Eu transformo esses elementos em t-shirts e outras coisas, assim eles ganham uma nova vida. É daí que vem o nome Raubdruckerin. Aquela que rouba as cópias”, explica a artista.

Emma France Raff utiliza estes elementos como blocos a partir dos quais faz uma estampagem. Aplica a tinta diretamente na superfície das tampas ou de outros objetos urbanos e eles tornam-se moldes para o trabalho. Tanto as tintas como os tecidos são biodegradáveis.

Marcel Schlutt, jornalista da revista de moda ‘Kaltblut’ confirma que se trata de uma nova tendência: “Usar a cidade, ou aquilo que a cidade nos dá, é mais urbano que o graffiti. Todos os dias ando na cidade. Eu e milhares de pessoas. O que ela faz é muito original. Não é como um artista que faz um graffiti que se torna parte integrante da cidade, é uma coisa diferente. É mais urbano”.

France Raff vende as peças na Internet e também numa pequena loja em Nikolaiviertel, um dos bairros mais frequentados de Berlim.

Sempre que o tempo o permite, Emma parte à descoberta da cidade de bicicleta, à procura de novos padrões. Tem sempre o material com ela, numa pequena mala. O trabalho reúne sempre muita gente à volta e só então as pessoas percebem a beleza que têm por baixo dos pés. Além de Berlim, Amesterdão e Lisboa são outras cidades que forneceram motivos para estas estampagens.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.