EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Milhares de iranianos clamam "morte aos Estados Unidos"

Milhares de iranianos clamam "morte aos Estados Unidos"
Direitos de autor 
De  Francisco Marques
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O 37.° aniversário da invasão à representação da Casa Branca em Teerão, que envolveu o sequestro por 444 dias de 52 norte-americanos, aqueceu as ruas da capital do Irão.

PUBLICIDADE

Milhares de iranianos expressaram esta quinta-feira ódio e cantaram pela “morte” dos Estados Unidos durante a comemoração do 37.° aniversário da invasão da embaixada norte-americana em Teerão. As manifestações incluíram também a queima de bandeiras norte-americanas e apelos para cautela na atual diplomacia com Washington.

Uma estudante explicou estar presente nas manifestações “para cantar ‘slogans’ que representam um forte murro na cara da América”. “A América nunca mais pode tocar no nosso país e, como diz o nosso líder: a América não pode fazer nada”, acrescentou Zahra Jafari.

US flags burn as Tehran students mark 1979 US Embassy takeover https://t.co/eWFHHerTkGpic.twitter.com/GTTnSNwZMv

— Ruptly (@Ruptly) 3 de novembro de 2016

American flag in flames at 13 of Aban (Nov. 4) rally in Iran, marking anniversary of 1979 seizure of US Embassy in Tehran. pic.twitter.com/lSQX4GsHm4

— Hanif Zarrabi-K. (@hanifzk) 3 de novembro de 2016

A agência de notícias iraniana, a IRNA, sublinhou que o objetivo dos manifestantes era o de “mostrar ódio pela arrogância global e renovar lealdade aos princípios islâmicos promovidos pelo pai da revolução islâmica de 1979, o malogrado Imã Khomeini.”

A invasão da embaixada dos Estados Unidos em Teerão aconteceu a 4 de novembro de 1979, coincidente com o 13.° dia do mês Aban, no calendário iraniano. A tomada do edifício surgiu na sequência de uma manifestação de estudantes, tendo o dia ficado conhecido como “13 Aban” ou como o “Dia do Estudante”.

A invasão foi seguida pelo sequestro de 66 cidadãos norte-americanos, entre diplomatas e civis — 52 deles ficaram cativos durante 444 dias (entre 4 de novembro de 1979 e 20 de janeiro de 1980). À altura, o caso decretou o corte de relações entre ambos os países.

#OTD in 1979: 63 Americans taken hostage at the US Embassy in Teheran. Of the ~ 90 people inside, 52 remained in captivity until the end. pic.twitter.com/sCsLOzvn46

— ESGR (@ESGR) 3 de novembro de 2016

Irão e Estados Unidos voltaram a aproximar-se no ano passado e tiveram o ponto alto na sede das Nações Unidas, em Nova Iorque, quando o Presidente norte-americano Barack Obama se cruzou com o ministro dos Negócios Estrangeiros iraniano Mohammad Javad Zarif e ambos trocaram um amistoso aperto de mão.

Foi o primeiro aperto de mão, noticiou então o jornal britânico The Guardian, entre um presidente dos Estados Unidos e um alto diplomata iraniano desde a revolução islâmica de 1979.

Meses depois, os dois países foram signatários do acordo nuclear iraniano, que permitiu levantar grande parte das sanções internacionais que pairavam há anos sobre o Irão. O atrito, contudo, entre os iranianos mais concervadores e os Estados Unidos não acabou e a evocação do “13 Aban” confirma-o a cada ano.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Líder supremo do Irão admite poucos danos no ataque a Israel: "O que importa é a vontade iraniana"

Rússia e Irão unidos contra o Ocidente

Irão anuncia troca de prisioneiros com EUA depois do desbloqueio de fundos iranianos