A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Principais praças europeias encerram no verde

Principais praças europeias encerram no verde
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

As bolsas europeias recuperaram da derrocada quando foi conhecida a vitória de Donald Trump nas presidenciais norte-americanas e as principais praças financeiras do velho continente acabaram por encerrar a valorizar 1% ou mais, como foi o caso de Londres, Frankfurt, Paris ou ainda Zurique.

Do outro lado do Atlântico, Wall Street negociava ao final da tarde no verde, mas mantém-se volátil.

Um analista da Meridian Equity Partners explica que a volatilidade na bolsa de Nova Iorque só será “preocupante” se a pressão sobre o mercado se prolongar por muito tempo. “Neste momento, o que se assiste é apenas a variações saudáveis”, afirmou.

A volatilidade promete continuar nos próximos tempos, enquanto não se tiver uma ideia mais concreta dos projetos de Donald Trump para o futuro.

Segundo outro analista, o triunfo de Trump, “para os mercados é um ‘déjà-vu. É um ‘brexit 2.0’ e serão necessários alguns dias ou talvez semanas até que o resultado (das eleições) seja digerido”.

Em contraciclo com a maior parte da Europa, a bolsa de Lisboa encerrou a sessão a desvalorizar 1,47%, com destaque para a EDP Renováveis, que recuou 5,7%, uma consequência da vitória de Trump nos Estados Unidos, onde o presidente eleito promete dar menos atenção às energias renováveis.